Geral

Obras vão deixar Casa do Artesão de Carazinho mais atrativa ao público

Setembro 24 / 2021

Apesar de ter um amplo espaço em cerca de 250 m2 na esquina da avenida Flores da Cunha com a Barão de Antonina, quem vê a fachada da casa do Artesão de Carazinho não imagina que há tanto lá dentro, principalmente em produtos expostos pelos artesãos que integram o grupo, e para melhorar o aspecto interno e fazer com que seja atrativo também para quem o vê da rua, uma grande reforma está em andamento.

Os profissionais que cuidam do projeto são os engenheiros Natanaeli Bender e Guilherme Wandscheer e os arquitetos Arthur Metzdorf e Wilyan Anhaia.

Natanaeli conversou com a Rádio Gazeta a respeito do trabalho que está sendo realizado explicando que a partir dele busca-se que o local seja melhor reconhecido, tenha um mostruário mais atrativo a quem passa. ''Esse é um espaço muito grande, mas muito recluso, as pessoas passam pela rua e não enxergam o produto que as artesãs tem aqui dentro, e a ideia é que tudo esteja pronto até 15 de outubro para que elas possam aproveitar e fazer boas vendas para o Natal e outras datas comemorativas, que as pessoas venham conhecer a Casa do Artesão'', destacou a engenheira.

O arquiteto Arthur complementou dizendo que será criado um espaço mais convidativo para atrair mais pessoal, o projeto é de criar novo layout para exposição de produtos, receber artesãos, clientes, e eles estão trabalhando com materiais de baixo custo. ''A primeira etapa é a da pintura, depois a elétrica, a decorativa, e mobiliário, usando móveis de madeira já existentes e alguns novos que estamos propondo a elas. Elas estão no coração da cidade, com uma circulação enorme, e queremos que essas pessoas entrem na Casa do Artesão''.

Reuniões tem sido feitas pelos arquitetos e engenheiros com a diretoria da casa do Artesão, cuja presidente é Jaqueline Schutz, e a coordenadora da agência Fgtas/Sine Cleonice Magalhães acompanha o projeto pois a Casa do Artesão é integrante da Fundação Gaúcha do Trabalho, do governo do estado do Rio Grande do Sul. O prédio onde está a Casa do Artesão é do estado.

 

Equipe diferenciada

A etapa atual da obra, de pintura, é feita pela equipe de Luciana Severo Granela, que há três anos teve uma experiência de ajudar o marido, trabalhador da construção civil, e não parou mais. Para a Rádio Gazeta contou sobre ter tomado a decisão de mudar de ramo - após duas faculdades de Recursos Humanos e Contabilidade - e montar uma equipe para trabalhar exclusivamente com obras, limpeza pós obras em casas ou prédios recém construídos, garagens, e outros.

''Meus pintores levaram três dias para pintar uma parede e eu cinco dias esfregando o chão depois que terminaram. Decidi montar uma equipe com mulheres porque são mais caprichosas, tanto na pintura, acabamento, limpeza pós obra, a parte mais delicada, que o homem não tem capricho, não é tão bom quanto as mulheres''.

Ela tem o cuidado de colocar cada uma em áreas em que se sintam bem. Quem não se incomoda com altura trabalha no alto, com escadas, e quem tem medo fica no chão. Em todo lugar há muito para fazer.

No novo ramo, Luciana fez cursos em Porto Alegre, se qualificou e chegou a ter um grupo de 16 mulheres, mas, com a pandemia, teve que reduzir e hoje são 5, uma delas sua irmã, Dilane. ''Passo tudo o que aprendo a elas, o que não sabem me pergunto e tento não deixar elas com dúvida, para não fazer errado e não ter que fazer duas vezes'', diz ela, que agora está fazendo um curso novo, de encanamento.

Publicado por: Ana Maria Leal E-mail: anamaria@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais