Saúde

Covid-19: Saúde pública de Carazinho faz alerta diante da nova variante

Julho 22 / 2021

Os números de pacientes positivados e internações hospitalares da Covid-19 tem diminuído em razão da ampliação da vacinação no município, além dos esforços e cuidados de toda a população.


Na segunda-feira (19), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) confirmou os dois primeiros casos da variante Delta no Rio Grande do Sul, em moradores de Gramado. Diante disso, a secretaria municipal da Saúde alerta a população em relação às medidas de controle para evitar que a cepa indiana chegue ao município, pois sua transmissibilidade é 97% maior do que a versão original do vírus. É imprescindível seguir os seguintes cuidados:

- Uso de máscara (de preferência PFF2 em ambientes fechados)

- Higienização das mãos com álcool em gel ou água e sabão

- Revezamento em sala de lanches, manter distância dos demais colegas se estiver sem máscara

- Não compartilhamento de chimarrão

- Evitar aglomerações, principalmente em ambientes fechados

Variante Delta

A nova variante do coronavírus, classificada com uma variante de preocupação e mais contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi identificada pela primeira vez na Índia e já se espalhou para vários países. Ela causa sintomas específicos, um pouco diferente dos causados pela cepa original do vírus, confundindo-se algumas vezes com um resfriado leve e não apresentando perda de paladar ou olfato. Ainda é investigado se ela está relacionada a quadros mais graves de Covid-19 e se aumenta o risco de reinfecção.

Alguns dos sintomas observados nos pacientes identificados com a variante Delta, foram: coriza, dor de garganta, dor na cabeça, nos músculos ou nas articulações, tosse e febre. Por isso, a orientação caso exista qualquer sintoma compatível, é procurar atendimento imediato, mantendo o isolamento até o resultado.

Quanto aos testes para detecção do vírus, não há nenhuma informação de que não tenham eficiência, por isso o município continua seguindo a orientação de que o antígeno ou RT-PCR seja realizado entre o 3º e 8º dia do início dos sintomas.

Em relação às vacinas, os estudos mostram eficácia a partir do momento em que a pessoa tenha completado a imunização, com as duas doses. Porém, ressalta-se que mesmo vacinados, todos devem manter os cuidados necessários, pois a contaminação ainda pode ocorrer, devido ao sistema imune nem sempre estar 100%.

Esclarecimento

Em Carazinho, o mês de maio foi totalmente atípico, com um total de 2.373 pessoas infectadas, com picos de 149 pessoas positivando em um único dia. Devido a este aumento, houve uma alta taxa de agravos que necessitaram de internações hospitalares. O mês de maio chegou a 145 internações em UTI, o que resultou um grande número de óbitos. Sendo que 19 óbitos ocorridos no mês de junho, foram reflexo do mês anterior, pois os pacientes estavam internados desde maio.

O estado tem realizado o sequenciamento genômico de amostras aleatórias de pacientes dos municípios para identificação de variantes. No final do mês de junho, em relatório, foi informado que a variante P1 do coronavírus estava circulando em Carazinho, o que ocasionou as altas taxas.

Segundo estudo, a P1 possui uma carga viral maior, comparada às outras variantes, o que não significa doença mais grave, mas que a transmissão é facilitada. Quanto mais vírus a pessoa está expelindo mais chances da outra pessoa ser infectada.



(Fonte: Prefeitura de Carazinho).





Publicado por: Ana Maria Leal E-mail: anamaria@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais