Polícia

Caso Suelen: Polícia conclui que morte em Carazinho foi encomendada por traficantes

Maio 07 / 2021

A delegada de polícia civil Rita De Carli informou em entrevista na manhã desta sexta-feira (07) para a Rádio Gazeta que está concluído o inquérito sobre a morte de Suelen Aparecida Reis Marins, 24 anos, em fevereiro deste ano, após desaparecimento no dia 26 do mesmo mês.

Conforme a polícia, a jovem foi vítima de homicídio, sendo a causa da morte a asfixia por esganadura. Através de investigação, com a utilização de modernas técnicas policiais, foi descoberto que a morte foi encomendada por traficantes; que o corpo foi enterrado; e que a morte aconteceu porque a vítima teria subtraído dinheiro e droga destes traficantes.

Inicialmente foi identificado o autor do homicídio e, posteriormente, foi encontrado o corpo da vítima, enterrado na garagem da casa dele, que também funcionava como uma sala. Sobre o local onde a vítima havia sido enterrada havia um tapete. Ainda foram identificados os mandantes do crime, que tiveram as suas prisões temporárias decretadas e também um quarto homem, que auxiliou o autor na ocultação do cadáver. O autor do homicídio foi indiciado pelo crime de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e receptação; os mandantes por homicídio qualificado e uma quarta pessoa por ocultação de cadáver e receptação.

De acordo com a delegada Rita, para apurar os fatos foi deflagrada a Operação Impacto 2.  Durante a Operação foram cumpridos três Mandados de Prisão Preventiva, três mandados de Prisão Temporária, 12 Mandados de Busca e Apreensão, e mais três prisões em flagrante pelo crime de Tráfico de Drogas. Participaram da ação policial, que aconteceu no dia 19 de abril de 2021, 34 Policiais Civis e 25 Policiais Militares, com a utilização de 20 viaturas.

O inquérito concluído já foi remetido para o Poder Judiciário.



Publicado por: Ana Maria Leal E-mail: anamaria@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais