Coluna Circulando e a política atual.

Semana Farroupilha.

Ana Maria Leal
Setembro 14/ 2021

Foi muito bonita a homenagem feita pelo poder legislativo de Carazinho na noite desta segunda-feira ao tradicionalista João Hugo da Silva.

Porém, vou trazer aqui algumas questões que me foram apontadas na ocasião.

Por exemplo: Teria ficado muito mais bonito se a indumentária gaúcha tivesse sido usada pelos treze vereadores presentes, não apenas por quatro deles (a presidente Janete Ross de Oliveira, Valdoir de Lima, Alcindo Águia e Vanderlei Lopes).

Mas, afinal, o que importa a roupa que o político veste?

Nada, realmente.

A não ser que estejamos falando de uma sessão solene, alusiva à Semana Farroupilha, onde a indumentária, em tese, deveria ser seguida à risca - ou não - pelas autoridades.

Aliás, foi notada a falta de uma delas: quando o cerimonial chamou o presidente do Conselho Municipal de Tradições Gaúchas (CMTG) para seu pronunciamento, não havia ninguém na plateia. Nem representante.

Silêncio constrangedor.

Imediatamente foi chamada a autoridade seguinte no protocolo, a vice-prefeita Valéska Walber, que, talvez inspirada na ex-presidente Dilma, que em certa ocasião disse que o vento deveria ser estocado, observou que a risada do homenageado, tão característica dele, deveria ser engarrafada, e daria um grande lucro.

Se, como alguns afirmaram anos depois sobre o vento, isso é mesmo possível (se não for uma fake news), ela pode não estar errada. Vai saber...Não sou cientista.

O fato é que são apenas detalhes que não tiraram o brilho da merecida homenagem.

Em tempo: já no dia de hoje o questionamento na cidade foi outro: onde está a Bandeira do Rio Grande do Sul que na Semana Farroupilha deveria ser hasteada na prefeitura?

Se não me engano, há alguns dias, quando o questionamento era sobre a ausência da Bandeira do Brasil no mastro ao alto do paço municipal, foi explicado que o mastro está com defeito.

Nem todos compreenderam.

Porém, antes que tenhamos uma nova polêmica, se é para serem dispostas como uma toalha qualquer para secar numa janela, melhor, mesmo, não ter bandeira alguma.

 

 

(Imagem meramente ilustrativa: mercadolivre.com).



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais