Português e Literatura

O RIO GRANDE é nosso!

Maria Solange
Setembro 13/ 2021

Assim como devemos amar e valorizar o nosso PAÍS, temos também que valorizar, ainda mais,  o nosso RIO GRANDE, porque ele é único em usar um vocabulário específico e muito conhecido pela sua originalidade. Vejamos algumas palavras e expressões:

              -> “frio de renguear cusco” ->muito frio.

              -> “me caiu os butiá do borso” -> ficar surpreso.

              -> “dar moral de cueca” -> quando não se tem nenhuma.

              -> “mais contente que lambari de sanga” -> muito faceiro.

              -> “se fazer de leitão pra mamar deitado” -> fingir -se de coitado.

              ->  “bah” -> expressão de qualquer tipo de sentimento.

              -> “ tchê” -> para chamar a atenção de alguém.

              -> “capaz” -> não precisa, não se preocupe.

              -> “bem capaz” -> significa não.

              -> “capaz que não” -> significa sim.


              Algumas curiosidades do povo gaúcho que são muito interessantes e criativas:

              -> A ideia de RODÍZIO de carnes surgiu com os pampas gaúchos, mas por puro engano. Dizem que, em um restaurante, o garçom confundiu as carnes pedidas e para resolver a situação, o proprietário do estabelecimento pediu para que todas as carnes passassem em todas as mesas, evitando confusão. Podemos dizer que esse sim foi um “acidente” feliz, não é mesmo?

              ->Não há um consenso sobre o que representam as cores da Bandeira Rio-Grandense. Uma versão, possivelmente mais próxima da real, diz que a faixa VERDE significa a mata dos pampas, a VERMELHA simboliza o ideal revolucionário e a coragem do povo, e a AMARELA representa as riquezas nacionais do território gaúcho.

                ->Os costumes gaúchos são tão singulares que ganharam destaque nacional e até mundial. Por isso, em 1948, foi criado o primeiro Centro de Tradições Gaúchas, cujo lema permanece até hoje pelos que aderem ao movimento: “Em qualquer chão – sempre gaúcho”.

             Os símbolos oficiais do Rio Grande do Sul são, conforme lei que dispõe sobre seu uso: o HINO; a BANDEIRA e o BRASÃO de ARAMAS. E ainda, são considerados outros símbolos tão significativos e representativos do povo gaúcho quanto os oficiais, os seguintes:

              ->O Cavalo Crioulo -> Tem sua origem nos cavalos espanhóis trazidos pelos colonizadores no século XVI.

              -> A Ave Quero-Quero -> É uma ave territorial muito vigilante, que dá o alarme ao primeiro sinal de algum intruso em seus domínios, seja dia ou seja noite.

             -> A Planta Macela ou Marcela ->  Especificamente no Rio Grande do Sul há a tradição de colheita da macela na Sexta-Feira Santa, antes do sol nascer, pois acredita-se que a colheita nesse dia traga mais eficiência ao chá das flores. 

         -> A Bebida Chimarrão -> O chimarrão, ou mate, é uma bebida característica da cultura do sul da América do Sul legada pelas culturas indígenas caingangue, guarani, aimará e quíchua. É composto por uma cuia, uma bomba, erva-mate moída e água a aproximadamente 70 Grau Celsius.

                   *Há quem diga que “Chimarrão” é servido amargo, e o “Mate” é servido doce, o tradicional mate-doce que poder ser servido com chás ou com leite doce.

             ->A Flor Brinco-de-Princesa -> Com a curiosa característica de poder apresentar pétalas e sépalas com cores e formas diferentes, a flor Brinco-de-Princesa, é considerada um dos símbolos do Rio Grande do Sul através da Lei 38.400/1988. 

             ->O prato típico Churrasco -> O principal prato da culinária gaúcha é indiscutivelmente o churrasco. A simplicidade do preparo não descarta um certo refinamento. Desde os primeiros tempos, o gaúcho come churrasco.

                 ->A árvore Erva-Mate -> A erva-mate é uma planta medicinal que apresenta um fino caule de cor cinza, folhas ovais e frutos pequenos de coloração verde ou vermelho-arroxeado. Ela é muito cultivada na região Sul do Brasil, sendo utilizada como remédio caseiro para o colesterol devido às propriedades que possui.




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais