Português e Literatura

Poetizar por meio de Paródia

Maria Solange
Julho 27/ 2021

Paródia é um tipo de intertextualidade que ocorre quando se faz a inversão dos sentidos do intertexto escolhido. Ela nos reporta a outro texto já conhecido. Vejamos alguns exemplos:  


     Quem quiser saber meu nome                  Quem quiser saber meu nome

     Dê uma volta no jardim                                Não tenha pressa não.

     Que o meu nome está escrito                     Basta olhar nos meus olhos

     Numa folha de jasmim.                                E sentir com o coração.

           (Ivanise Meyer)                                         (Profe Solange)      

Minha razão de viver                                                     Meus filhos

Felicidade maior que se                                  Família sem filhos não tem sentido.

Instalou em minha vida?                                  Ilusão pensar o contrário.

Luz que ilumina e me mostra o                      Levo no coração fortalecido

Horizonte a seguir? Abrigo                              Hoje e sempre o bom tempo hilário

Onde repouso meus                                      Ouvindo de longe o riso conhecido

Sonhos, sem nunca pensar em desistir.         Sempre a encher a casa de alegria.

(poetisa paranaense Santher)                                         (Profe Solange)


          Além da imaginação                                     Além do horizonte 


  Tem gente passando fome                            Tem algo diferente ali adiante   

 E não é a fome que você imagina                  Que você não consegue enxergar

  Entre uma refeição e outra.                          Tampouco consegue imaginar.

        (Ulysses Tavares)                                               (Profe Solange)                                                            


 Soneto da Separação                         De repente, não mais que de repente


De repente do riso fez-se o pranto            De repente, não mais que de repente

Silencioso e branco como a bruma             Senti meu coração saltar pela boca.

E das bocas unidas fez-se a espuma             Uma sensação diferente, estranha...aí

E das mãos espalmadas fez-se o espanto.      Resolvi confessar o meu amor latente.

           (Vinícius de Moraes)                                              (Profe Solange) 


         Motivo                                                                Por que escrevo                                                                      

Eu canto porque o instante existe              Escrevo porque o sentimento existe

e a minha vida está completa.                       e a minha vida está tranquila.

Não sou alegre nem sou triste:                      Sou alegre e, às vezes, triste:

            sou poeta.                                             porém nada me aniquila.

      (Cecília Meireles)                                               (Profe Solange)


       Era uma casa...                                            Era uma história...

Era uma casa / muito engraçada                  Era uma história / bem humorada

Não tinha teto / não tinha nada                   Só tinha gente / bem animada

Ninguém podia / entrar nela não                 Vilão não tinha / pra assombrar

Porque na casa / não tinha chão                   Só muita gente / para amar!

       (Vinícius de Moraes)                                    (Profe Solange)





Compartilhe esta coluna em suas redes sociais