Polícia

Polícia de Carazinho prende envolvidos e confirma morte de taxista que estava desaparecido

Setembro 22 / 2021

A Polícia Civil, Brigada Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Carazinho estiveram reunidos em coletiva de imprensa no final da tarde desta quarta-feira (22) na delegacia de polícia civil para informar que dois envolvidos no desparecimento do taxista Fernando Schmitt, 41 anos, estão detidos. Um deles foi localizado com um ferimento por arma de fogo, internado no Hospital de Caridade de Carazinho (HCC), e é custodiado por uma equipe do presídio estadual de Carazinho. O outro foi preso em Santa Maria e sua prisão contou com a apoio da 3ª DP. 

Conforme a delegada de polícia, Rita De Carli, na madrugada do sábado para domingo (19), quando o taxista que atuava no ponto da estação rodoviária compareceu ao local solicitado, no bairro São Jorge, transportou os três ocupantes que teriam saído de uma boate, todos homens, até o bairro Floresta, onde foi morto com disparos de arma de fogo que atingiram sua cabeça. No total, três tiros teriam sido disparados.

O terceiro envolvido está foragido. Conforme a polícia, os três tem antecedentes com passagens pela polícia. Nomes nem idades do trio foram informados.

''Na sequência, no mesmo veículo, o taxista teria sido levado ao local no Rio da Várzea, distrito de São Bento, interior de Carazinho, confirmando as denúncias que a polícia já vinha recebendo desde o domingo, que narravam essa situação. A investigação partiu desse ponto, conseguiu confirmar esses fatos, também a prova pericial vai confirmar a situação em que o táxi foi encontrado, com sangue nos bancos de trás e da frente, que confere a versão dada por um dos envolvidos. Foi um roubo, latrocínio, seguido de ocultação de cadáver, jogado no Rio da Várzea'' informa a delegada.

Ainda, segundo ela, a motivação teria sido levar o carro da vítima. Os criminosos retiraram as placas do veículo, que depois foram localizadas.

Tanto a delegada Rita quanto o delegado Jader Ribeiro Duarte, o major Juliano Moura, à frente do 38 BPM, quanto o sargento Castro, do Corpo de Bombeiros Militar, destacaram a importância da ação em conjunto das forças de segurança pública para a elucidação do crime que a princípio era investigado como desaparecimento.

O corpo, entretanto, ainda não foi localizado. 

Conforme o sargento Castro, o fato de haver muita vegetação no local das buscas pode fazer com que o corpo demore para vir à superfície, mas os trabalhos vão continuar nos próximos 20 dias, e eles esperam que antes disso haja a localização.

A delegada também informou que o titular da 28ª Regional de Polícia, delegado Edson Tadeu Cezimbra, estaria presente na coletiva mas não participou porque cumpre agenda em Porto Alegre.  




(Fotos:  Fernando Schmit/ Redes Sociais/ Coletiva da Segurança Pública: Marcelo Toledo/ Grupo Gazeta).







Compartilhe esta notícia em suas redes sociais