Gazeta

Morador de Carazinho faz poesia para homenagear Rádio Gazeta pelos 39 anos

Abril 07 / 2021

O morador de Carazinho, Ari Gonçalves da Rocha, criou uma poesia para homenagear a Rádio Gazeta AM pelos seus 39 anos comemorados no último dia 22 de março.

O poeta encaminhou o texto para a emissora mostrando seu carinho e admiração pela história da empresa. Confira:


''Homenagem a Gazeta por seus 39 anos de história

Falar da rádio Gazeta.

Do passado e do presente.

Quem não sabe, não se meta.

Tem que conhecer o ambiente.

Pra quem sabe é uma vitória.

São trinta e nove anos de glória.

Foi de um líder competente.


Pra falar do Dr. Iron.

Eu conheci pessoalmente.

Sabemos que ele era bom.

Comentado por muita gente.

Que teve a excelente ideia.

O rádio que une a plateia.

Que tira os versos da mente.


No passado o seu começo.

Escutem o que eu vou dizer.

Do pouco que eu conheço.

Quero lhes dizer por quê.

Se eu falo bem não critico.

Com o Antônio José Picoli, Gazeta a Noite é Você.


Pra falar de sertanejo.

Esse cara estava sozinho.

Outro melhor eu não vejo.

Nos pagos do meu Carazinho.

Quem dispensa apresentação.

Com o Gazeta no Sertão, o nosso amigo Castelinho.


Lá atrás no gauchismo.

Sem medo e sem brincadeira.

Apresentador e cantador do regionalismo.

Que nunca afrouxou a peiteira.

A cidade nunca se esquece.

Mais um nome que enaltece, é o gaúcho Darci Vieira.


Egon Zir e Paulo Silva.

Outros grande radialistas.

E eu que não sou biriva.

Vou aumentando essa lista.

E antes de eu ir embora.

Falo nos nomes de agora,

Também com grandes conquistas.


Peço que ninguém se zangue.

Vou falar de tradição.

Meu amigo Paulo Lang.

Com o seu Alma de Galpão.

Aos domingos é muito rico.

Mas vou falar do Nanico.

Pequeno e um grande gauchão.


Dia Vinte de Setembro.

Com o desfile na avenida.

Nesse dia eu sempre lembro.

Entre as coisas coloridas.

Quando cruza em frente à praça.

Fala de todos que passava.

E na sua voz tudo tem vida.


Pra falar dos nossos dias.

Nova equipe foi montada.

Tiago Borges e Ana Maria com suas belas risadas.

E o pitoco o Marcelinho.

E pra alegrar Carazinho.

Tiago Zirbes na madrugada.


Tem o Emílio o cabeção.

E tem uma tal de Darcília.

Tia formada em confusão.

Muita piada e muita gíria.

Ninguém leva pra comadre.

E as vezes até padre, metido em piadas caipiras.


Desculpem pelos apelidos.

Desculpem pelas brincadeiras.

Eu não quis ser atrevido.

Com essa gente hospitaleira.

Eu só quis divertir um pouco.

Dizem que o poeta é louco.

E eu vou levar essa piandeira.


É a minha mais singela e humilde homenagem.

A Gazeta e a todos os seus ex e atuais funcionários tão competentes, e a sua direção. Do mais humilde poeta de Carazinho.

Se gostar eu agradeço muito, do fundo do meu coração.

Um grande abraço a todos.

Texto/Poema:

Ari Gonçalves da Rocha

Carazinho-RS''




Publicado por: Emilio Arruda E-mail: emilio@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais