Saúde

Covid 19: ''População é a responsável'', diz médico sobre realidade atual em que estrutura de saúde e profissionais estão no limite

Fevereiro 25 / 2021

Ao fazer um apanhado atual sobre a realidade da pandemia e o crescimento de casos pelo Brasil e especificamente em Carazinho, o médico neurologista Dr. Rafael Espanhol, que é coordenador da área médica da UPA e integra o comitê de enfrentamento da pandemia na cidade, afirmou que a responsabilidade é da população, das festas de final de ano, as junções, praias lotadas, e o carnaval.

Participando do programa Lado a Lado Com a Notícia desta quinta-feira (25) ele lamentou o panorama atual. ''Infelizmente a situação está pior, não é um pouco pior, é bastante pior,  prenunciada, sem rodeios, muito por culpa da população, das pessoas que não estão  cumprindo as solicitações que foram passadas. O que foi responsável por isso? as festas de final de ano, as junções, as praias, as férias, o carnaval. Enquanto se observava a população tomando cuidado, lá no inicio da pandemia, quando as pessoas tinham medo do coronavírus, hoje percebo que as pessoas perderam o medo, e o caos está instalado, a estrutura de saúde chegou no seu limite, não só de Carazinho, mas de todo o nosso pais. A gente já tem dificuldade em conseguir leito para internação, as UTIs estão praticamente lotadas, a gente não tem mais aquela tranquilidade de que se precisar do recurso vai ter prontamente, hoje a  gente já tem dificuldade grande de conseguir leito, já tem sobrecarga no nosso sistema, está bem preocupante''.

O Dr. Rafael acredita que a chegada da vacina contribuiu para esse comportamento das pessoas de relaxarem no cuidado com a prevenção da doença. ''Muitas pessoas estão vendo a vacina como o Salvador da Pátria, teve quem me disse que iria esperar chegar a vacina, se imunizar e fazer as atividades que tinha adiado. Mas nenhuma vacina confere 100% de imunidade, algumas até média imunidade, nem alta, não é o Salvador da Pátria. Muitas pessoas ficaram só dentro do lar, cansaram das restrições sociais, isso somado ao final do ano, festas, férias, carnaval , e agora é muito pior do que a primeira onda. A vacina é importante sim, vai conferir imunidade, mas não dá 100% de garantia que não vai adquirir a doença, alguns casos receberam a 2ª dose e adquiriram a doença, talvez de forma mais branda, ou já criou anticorpos, mas vai passar para outro, vai estar disseminando a doença. É uma parcela da população vacinada menor do que a população que tem que ser vacinada. A vacina não é divisor de água, pré e pós vacina, mas uma luz para essa nova era que a pandemia impôs''.

Desta forma ele ressalta que a conscientização é essencial, e as medidas de contingência, uso de máscara, evitar aglomerações. ''Passou-se um ano, vimos a doença se espalhar, chegou a vacina, mas isso (esses cuidados) continua a ser a primeira orientação''.

Para quem ainda não se deu conta do quanto esses cuidados básicos são importantes, Dr. Rafael cita a realidade que viu mais de uma vez: familiares de pacientes com Covid que, de Carazinho, foram encaminhados para leitos em hospitais de outras cidades, e de lá não retornaram com vida. Famílias que nem tiveram a chance de se despedir. 

A entrevista completa pode ser conferida nos vídeos da Gazeta no https://www.facebook.com/portalgazetacarazinho/videos/501508704199732

(Minutagem para o vídeo 44:27).




Publicado por: Ana Maria Leal E-mail: anamaria@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais