Economia

Rentabilidade real da poupança afunda no negativo com Selic a 2%

Agosto 06 / 2020


O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom/BC) reduziu a Selic para 2% ao ano, em mais um corte de 0,25 ponto percentual, nesta quarta-feira. Além de ser a base para empréstimos e financiamentos, a taxa básica de juros brasileira também define a rentabilidade de diversos investimentos a ela atrelados, como é o caso da poupança.

Neste cenário, o rendimento com a aplicação mais popular do país ficou ainda pior, afundando-se de vez no território negativo. Isso porque a poupança devolve o valor investido mais 70% da taxa Selic, somado à Taxa de Referência (TR), que está zerada. Com isso, o atual retorno anual é de apenas de 1,40% a.a., sem descontar a inflação.

Para calcular o rendimento real, deve-se subtrair do ganho o IPCA do período. Como a projeção para a inflação em 2020 é de 1,63%, segundo o último Boletim Focus do Banco Central, o investidor perde 0,23 ponto percentual em poder de compra deixando o dinheiro na poupança.

Para exemplificar, quem aplicar, hoje, R$ 100 vai ter na conta R$ 101,40 daqui a 12 meses. Porém, com o desconto da inflação, o saldo real a valores presentes fica em R$ 99,77. Ou ainda: quem coloca R$ 5 mil na caderneta, recebe R$ 5.070 após um ano, mas na verdade está perdendo R$ 11,50 devido ao IPCA.

De acordo com o BC, o saldo da poupança encerrou o mês de julho positivo em R$ 967.721.746 bilhões. Ou seja, esses quase R$ 1 trilhão investidos terão rentabilidade menor que a inflação.

Vale lembrar que a inflação ainda está bem abaixo do centro da meta de 4%, valor definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para 2020, com um intervalo de 1,5 ponto percentual para cima e para baixo.

Dessa forma, se o IPCA subir nos próximos meses, o retorno da aplicação fica ainda mais negativo. “É hora de sair da poupança”, diz Cynthia Trisuzzi, analista de produtos da Ágora Investimentos.



Guaiba





Compartilhe esta notícia em suas redes sociais