Polícia

Carazinhenses estão sendo vítimas do golpe dos 'nudes' enviados pelo telefone

Jornalista Gazeta
Junho 03 / 2020

A delegada de polícia civil Rita De Carli falou em entrevista para a Rádio Gazeta nesta terça-feira (02) que vários casos foram registrados recentemente de pessoas vítimas de um golpe pelo aplicativo wattsApp no qual a pessoa é incentivada a enviar nudes (fotos nuas) e só percebe que caiu numa armadilha no momento em que começa a ser pressionado a pagar para que as imagens não sejam divulgadas.

Conforme a delegada o golpe deve estar sendo aplicado provavelmente por pessoas dentro de presídios, tem feito vítimas principalmente do sexo masculino, e ocorre da seguinte forma: uma pessoa, na maioria das vezes mulher, faz o contato inicial pela rede social, pede o número do celular, de posse do número, começa a enviar mensagens manifestando interesse na pessoa, a conversa evolui até que a vítima recebe fotos da mulher nua, e é incentivado a também enviar fotos íntimas.

A partir desse momento começa a chantagem, o estelionato, a exigir dinheiro para que as fotos nuas da vítima não sejam divulgadas. Há, ainda, relato de que o golpista se passa pelo pai da pessoa cujas fotos nuas foram enviadas, dizendo que se trata de uma menor de idade, e, para forçar a vítima a pagar, ameaça com todas as implicações legais que existe em seduzir alguém dessa faixa etária.

A recomendação da delegada é de que ao receber qualquer mensagem de pessoa desconhecida, principalmente iniciando uma conversa de cunho amoroso, desconfie, pois esse tipo de golpe tem crescido bastante nos últimos dias, fazendo várias vítimas também em Carazinho.


Cartão bancário

Outro golpe também que tem preocupado a polícia pelo fato de que está fazendo várias vítimas, é o do cartão bancário. O golpista telefona para a vítima dizendo que foi feita uma compra em seu nome, com seu cartão, em determinado estabelecimento comercial. A vítima nega a dívida, e nesse momento o golpista pede os dados bancários, para conferir, e providenciar o cancelamento do débito. A vítima fornece, inclusive, a senha. De posse desses dados, o golpista diz que vai precisar do cartão bancário da pessoa, e enviar até o seu endereço uma pessoa para buscar o cartão. 

Orienta, ainda, que a pessoa coloque o cartão num envelope, fechado, e entregue no momento em que esse falso representante da agência bancária for até sua casa.

De acordo com a delegada, de posse do cartão e da senha, os golpistas gastam o dinheiro em compras pela internet ou sacando o que podem nos caixas eletrônicos. Segundo ela, moradores de Carazinho já foram lesados em valores de R$ 5 a R$ 20 mil.


Compartilhe esta notícia em suas redes sociais