Polícia

Número de homicídios em Carazinho já é a metade de todo o ano 2019

Jornalista Gazeta
Fevereiro 14 / 2020

Se o ano de 2019 finalizou considerado relativamente tranquilo na segurança pública quanto ao número de mortes violentas, pois em 365 dias foram oito casos, sendo sete homicídios e uma morte em confronto com a Brigada Militar, o ano de 2020 começou totalmente inverso. Em 45 dias do ano de 2020, Carazinho já contabiliza quatro homicídios.

Nesta quinta-feira, 13, a Delegacia de Polícia finalizava em menos de uma semana o caso da execução ocorrida no interior do HCC, onde três pessoas foram presas e um quarto envolvido está com mandado de prisão pela morte de William Gabriel Claro Severo, 19 anos. Porém, na madrugada seguinte, por volta da 01h30min desta sexta-feira, 14, foi registrado outro homicídio. Henrique Costa Pinheiro, o Kreko, de 26 anos foi alvejado por disparos de arma de fogo em via pública, na Rua Mercedes da Luz, quase esquina com a Avenida Flores da Cunha, Bairro Boa Vista.

Segundo informações prévias, a vítima estaria em um estabelecimento comercial quando os atiradores chegaram em um veículo que já foi identificado, todos portavam armas longas e estavam encapuzados. Henrique tentou correr em direção ao Bairro Oriental, mas acabou atingido por tiros na altura da cabeça.

Imagens de câmeras de segurança já foram analisadas e testemunhas estão sendo ouvidas. A polícia acredita que o crime de hoje possa ter ligação com o primeiro homicídio do ano, uma espécie de represália. O caso segue em investigação e mais pessoas devem ser ouvidas agora pela manhã.

Henrique Costa Pinheiro está sendo velado na Capela Mortuária B, da Funerária Adam, Bairro Glória. Sepultamento hoje ás 17h no cemitério municipal.

 

Relembre os crimes ocorridos neste ano:

Primeira morte:

Yuri Carvalho Santana, 24 anos, foi assassinado a tiros na terça-feira, 14 de janeiro, dentro do carro em que estava, uma Blazer, na Rua Iracema em Carazinho. A esposa e filha estavam no veículo no momento da ação. Na mesma quarta-feira a brigada militar foi informada através do 190 sobre a localização dos autores do crime que teriam sido visto entrando, armados, numa residência na rua David Canabarro, (local cercado de muro com mais de dois metros de altura e cerca elétrica). Com apoio da seção de inteligência os policiais cercaram e sete pessoas foram presas e encaminhadas à delegacia de polícia. Conforme a brigada militar, antes da prisão o grupo jogou por cima do muro uma espingarda calibre 12 municiada com 10 baletões,  uma pistola calibre 380, modelo pt58hc plus, sem registro, uma pistola calibre 380 modelo 809c, numeração raspada, 66 munições cal 380, 29 munições calibre38, um DVR marca Intelbras, três aparelhos telefônicos, três toucas ninja, uma luva, um chapéu e uma capa camuflada de arma longa.

Segunda morte:

Morreu na manhã de 03 de fevereiro a mulher que foi agredida a machadadas em Carazinho. Ela estava internada no Hospital de Caridade de Carazinho (HCC) desde o sábado anterior, quando ocorreu o crime em um condomínio do bairro Floresta. Segundo a polícia, a vítima Geni Rosane Silveira de Quadros, 46 anos, teria ido em uma residência na companhia de outras mulheres para pegar os pertences de uma mulher já falecida, parente de uma delas. Lá, teria sido agredida, numa briga generalizada, provavelmente por uma outra mulher. Encaminhada ao atendimento no HCC, ela chegou a ter uma das pernas amputadas em razão dos ferimentos.

Terceira morte:

O crime ocorreu dentro do Hospital de Caridade de Carazinho (HCC) na manhã da sexta-feira, 7 de fevereiro. Pelo menos dois homens teriam entrado na instituição e saúde e feito em torno de cinco disparos contra William Gabriel Claro Severo, 19 anos, que estava internado. Três pessoas já foram presas após as investigações da polícia civil sobre a execução. 


As imagens que ilustram essa matéria foram enviadas em grupos de watts e são referentes ao crime da madrugada desta sexta (14) na rua Mercedes da Luz, quase esquina com a avenida Flores da Cunha. 


Compartilhe esta notícia em suas redes sociais