Geral

Câmara homenageia soldado carazinhense que atuou com bravura em resgate durante acidente em Gramado

Jornalista Gazeta
Novembro 25 / 2019

O soldado Júlio César Corrêa, 33 anos, recebeu homenagem da câmara de vereadores de Carazinho durante a sessão ordinária desta segunda-feira (25), em reconhecimento ao ato de bravura no salvamento de um casal que sofreu acidente numa estrada em Gramado, em outubro deste ano, caindo numa ribanceira. Carazinhense, o soldado Júlio estava na equipe acionada e arriscou a vida para a retirada do casal pelo porta malas do veículo, num resgate cinematográfico, à noite, enquanto o carro, um Honda Fit, ficava preso apenas por uma árvore, sob risco de cair a qualquer momento.

Ao conversar com a reportagem da Rádio Gazeta Júlio César relembrou o episódio ocorrido numa noite chuvosa em 31 outubro deste ano. Um casal de turistas trafegava pela estrada do Moreira, por volta das 21h40 quando o motorista perdeu o controle do veículo Honda Fit, derrapou na estrada de chão, caindo numa ribanceira, descendo cerca de dez metros. O veículo por pouco não caiu no Rio Paranhana, ficando preso apenas por uma pequena árvore. A Brigada Militar foi acionada pelo motorista, e rapidamente os policiais chegaram ao local.

Os PMs se amarraram em cordas e conseguiram tirar o casal pelo porta malas do veículo enquanto o carro descia para cair no rio. Chovia bastante no momento do salvamento.

 

Orgulho de servir

Júlio César teria outro compromisso nesta segunda-feira, receber uma homenagem na cidade de Canela, mas disse que nem pensou duas vezes e veio receber igual distinção na sua cidade natal.

''Não que eu não valorize aquela homenagem, mas eu honro o nome da minha cidade, honro o nome da brigada militar, mas sendo filho de Carazinho, larguei tudo para vir aqui. Quem me conhece sabe o quanto sofri para estar onde estou, para enaltecer o nome dessa cidade por onde vou, é uma felicidade que não tem como medir''.

Ele está na BM desde 2006, entrou em programa temporário após sair do exercito, em três anos fez concurso público para ser efetivado, e em 2011/2012 prestou concurso interno para ingressar no POE, onde está até hoje.

Além do amor pela corporação que representa falou na reportagem sobre o amor à família, especialmente ao pai, Nestor José Corrêa, ou ''Nestor da Eletrocar'', como era conhecido.

Quando mencionou dificuldades para chegar onde chegou Júlio César se referia ao fato de ter tido os pais separados muito cedo, e a perda do pai há 10 anos, quando estava entrando na BM.

''Eu dedico essa homenagem a ele, se sou o homem que sou hoje é graças a ele, ele criou sozinho eu e meu irmão, poderíamos ser mais uma estatística, aliciados pelo crime, mas com apoio que ele nos deu quero dar orgulho, onde ele estiver. É uma dor que não tem cura (a perda), mas a gente tenta dar o maior orgulho para ele, representar como filho dele e como carazinhense, dentro e fora do estado, com os cursos que tive oportunidade de fazer. Assim como orgulho à senhora Lucia, minha madrasta, que tenho como minha mãe''.

Orgulho para ele foi também ser lembrado pela câmara de vereadores através da proposta feita pelo vereador Márcio Hoppen (Guarapa). No prédio que conhecia apenas por ver da calçada quando passava pela frente, e jamais havia entrado, agora teve esse especial reconhecimento.


A força de um Juramento

No mesmo dia em que o soldado carazinhense era recebido como herói na sua cidade, uma policial militar do Pelotão de Operações Especiais (POE) de Santa Cruz, Marciele Renata dos Santos Alves, 28 anos,  morreu após ser atropelada por criminosos numa ação na ERS-421, estrada que liga Forquetinha ao município de Sério. Ele ainda não estava sabendo a respeito, ficou surpreso e triste, pois já estava na câmara quando o fato começou a ser noticiado, e lamentou o ocorrido:

"Pois uma perda assim é irreparável. Imagino o que a família dessa colega e (irmã) que tombou estão passando. Para alguns é só mais um número, mas para a família, amigos e colegas de farda é uma dor que nem o tempo consegue curar... Esperamos que as leis sejam mais duras para indivíduos que cometem esse tipo de ação contra agentes públicos, pois cometer algo assim e ir contra o povo, pois  o policial é a última barreira entre o bem e o mal".

Ao mesmo tempo, acrescentou.

''É muito triste a gente perder mais um colega, mas quando a gente fez aquele juramento, do risco da própria vida, a gente está ciente do que a gente pode passar'' .

Questionado sobre a realidade atual dos servidores públicos estaduais que estão com os salários atrasados e parcelados há anos, admitiu que é difícil, mas que o trabalho não pode deixar de ser feito.

''É muito triste, um assunto delicado, mas a sociedade gaúcha, carazinhense, gramadense, que é onde eu sirvo, não tem que pagar por esse erro, ou por essa má administração como queiram entender, eles querem um serviço de excelência, quando fiz esse juramento, quando entrei nas fileiras da BM entrei não foi para ficar rico, foi por amor. Me despeço da minha família, saio de casa e tenho que prestar um serviço de excelência, a família sente também, mas quando você vai prestar o serviço para a comunidade tem que estar com a cabeça limpa, a gente tem que ir lá e prestar o melhor serviço, de qualidade, para a pessoa ter a visão que a BM foi lá e resolveu, não deixou um trabalho pendente''. 


Homenagens

Júlio César Corrêa já havia sido homenageado na última sexta-feira (22) na cidade de Gramado com os colegas policiais militares que também atuaram no salvamento Rogério de Almeida Texeira e Leandro Alves da Fonseca, do Pelotão de Operações Especiais (POE), e Mariceles Stocco e Eduardo Lima de Rodrigues da Brigada Militar de Gramado. Eles receberam Moção de Aplauso durante sessão Solene da câmara de vereadores de Gramado ''Um ato que sem dúvida ultrapassa o limite do homem comum, tendo os PMs demonstrado nobreza e princípios que merecem ser destacados, apoiados e aplaudidos por esta Casa Legislativa'' conforme destacado na solenidade.


Compartilhe esta notícia em suas redes sociais