Geral

Presidente do Conselho de Ética da OAB-RS fala na Gazeta sobre ética no exercício da profissão e o caso Neymar

Jornalista Gazeta
Junho 11 / 2019

Houve quem questionasse recentemente, em razão do caso Neymar, se houve conhecimento ou orientação prévia de um profissional da área de Direito tanto de um lado, do jogador, quanto do outro, da modelo que o acusou de estupro, para que fossem divulgadas nas redes socais fotos e conversas íntimas deles.

Para falar a respeito o presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil do estado do Rio Grande do Sul e conselheiro da entidade, Dr. César Souza, participou do programa Lado a Lado Com a Notícia na sexta-feira, dia 07.

''_Veja como é espinhosa a profissão do advogado, porque essa situação está no inicio de toda a questão que possivelmente será levada ao judiciário, e se o advogado instruiu ou não essa situação toda se desenrolará após. Se instruiu, creio que não fez bem, não deveria ter instruído a que fosse levada a público, porque me parece que a mesma situação ocorreu do outro lado, tanto é que dois advogados já desistiram de patrocinar o outro lado, não sei se foi porque foi divulgado o que os advogados não gostariam que fosse, e foi. E do lado do Neymar, se advogados participaram ou não dessa divulgação, se participaram creio que não foi correto, porque havia fotos de uma pessoa nua ou seminua, pelo que se conhece do escritório que patrocina o Neymar, e eu conheço o Dr. Saulo de Carvalho, advogado aqui do Rio Grande do Sul, é muito correto, muito ético, e essa advogada dela, inclusive é tesoureira da OAB do Rio de Janeiro, também muito correta, não acredito que ela tenha participado disso''.

Segundo ele nem sempre o cliente consulta o advogado que o representa antes de tomar uma atitude, e não é raro situações em que o advogado é procurado apenas depois que algo já foi feito por conta própria.

''_ Nos ocorre muito, inclusive no meu escritório, acontece muito de primeiro o cliente fazer e depois correr para o escritório, dizer olha aconteceu isso, mas eu já fiz isso, em vez de me consultar antes e eu teria dado outro encaminhamento, ocorre muito isso. Nesse caso não dá para acusar, se o advogado participou ou não, mas acho que não foi correto se o advogado participou, até poderia ser aberto processo ético contra ele''.

Dr. César lembra, ainda, que existe uma legislação muito rígida para o advogado também quando se encontra na posição de ser a pessoa que compartilha esse tipo de conteúdo íntimo, mas conforme a presença de provas que existam desse compartilhamento.

''_Há uma inflação muito grande de profissionais na nossa área, a OAB do Rio Grande do SUl tem 130 mil inscritos, e como em todas as profissões temos profissionais de todos os tipos, mas está dentro da média das profissões, de infrações e processos éticos que tenho acompanhado dentro das outras profissões. Temos pessoas éticas e não éticas em outras as profissões, na nossa tem uma característica própria, mexemos com a honra da pessoas, a liberdade e o patrimônio das pessoas, é mais fácil um deslize ético, mais possível de ocorrer, mas temos um braço ético que funciona''. 



Compartilhe esta notícia em suas redes sociais