Polícia

Investigação preliminar aponta uso de material inflamável em contêiner do Flamengo

Jornalista Gazeta
Fevereiro 11 / 2019

Os primeiros levantamentos da investigação das causas do incêndio que matou 10 jogadores das categorias de base do Flamengo e deixou outros três feridos, na madrugada de sexta-feira, apontam que o material usado na construção dos contêineres pode ter acelerado a propagação das chamas.

De acordo com reportagem de O Globo, um dos corpos carbonizados apresentava forte odor de solvente, o que pode indicar a presença de material altamente inflamável no alojamento provisório onde os garotos estavam instalados no Ninho do Urubu, o centro de treinamentos do clube carioca na zona oeste do Rio de Janeiro.  Segundo o site da empresa NHJ do Brasil, fabricante das instalações montadas no CT, os módulos habitáveis são compostos por painéis termo-acústicos preenchidos com poliuretano (espuma) revestidos dos dois lados e chapas de aço formando um sanduíche. O poliuretano é o mesmo material usado na Boate Kiss, cenário do incêndio que deixou 242 mortos e quase 700 feridos em janeiro de 2013. Na tragédia de Santa Maria, o fogo se alastrou em questão de minutos.


Compartilhe esta notícia em suas redes sociais