Agronegócio

Seminário debate rotação de culturas e manejo conservacionista

Emilio Arruda
Maio 11 / 2018

Para debater o desafio de manter o solo coberto o ano todo, a Cotrijal, em parceria com a Corteva, reuniu 100 produtores para palestra técnica, na manhã desta quinta-feira (10), no Parque da Expodireto, em Não-Me-Toque. Um dos palestrantes, o engenheiro agrônomo e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Antônio Luis Santi, falou sobre a importância da rotação de culturas como estratégia de reconstrução do sistema plantio direto e melhoria da produtividade dos cultivos.

"O produtor precisa repensar o plantio direto. Tivemos avanços e as produtividades estão aí para provar, mas podemos melhorar para garantir mais estabilidade de produção, principalmente nos anos de problemas climáticos", apontou. Para Santi, a integração das plantas de cobertura nesse sentido é fundamental. 

"É importante pensarmos a cobertura do solo o ano todo, envolvendo plantas no outono e inverno que vão adicionar mais carbono ao solo, proporcionando maior armazenamento e diminuindo a perda de água. Isso traz maior produtividade", aconselhou Santi. 

Construindo estratégias com o produtor - O gerente de produção Vegetal da Cotrijal, Juliano Tiago Recalcatti, lembrou que a Cotrijal busca construir estratégias para que o produtor alcance um sistema de produção mais sustentável. "Hoje vemos muitas áreas enfrentando problemas, que poderiam ser minimizados com a rotação de culturas e manejo conservacionista. O nosso trabalho é para que o produtor tenha altas produtividades e tranquilidade mesmo em ano de clima atípico", enfatizou.

Ciente da importância do tema, o produtor Rogério Pacheco, de Carazinho, fez questão de participar do seminário. Para garantir produtividade, ele segue à risca às recomendações da área técnica da Cotrijal. "Todo o ano, destino 25% da área para o milho. Também faço cobertura especial com leguminosas. O investimento tem compensado. Mesmo sem irrigação, já alcançamos média de 233 sacas/hectare", revelou. 

Mercado - O engenheiro agônomo e mestre em Economia, Leonardo Junho Sologuren, fez uma palestra abordando questões mercadológicas. "No caso do milho, estamos vivendo uma realidade de redução significativa da oferta, que combinado com a melhora da taxa de câmbio e recuperação dos preços em Chicago, estimula a exportação", indicou o especialista, acrescentando que também vislumbra um cenário de recuperação para a cultura da soja. 

"Será um ano de rentabilidade, pois temos cenários com perspectivas interessantes de preço para os produtores rurais. Os momentos atuais são ideais seja para o travamento de preço ou venda de mercadoria", concluiu Sologuren.


(Fonte: Assessoria de Imprensa da Cotrijal)




Publicado por: Emilio Arruda E-mail: emilio@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais