Região

Dia de Campo reúne 45 produtores de Carazinho e Lagoa dos Três Cantos

Jornalista Gazeta
Março 15 / 2018

A soja nem saiu da lavoura, mas o produtor já está atento ao trabalho da Cotrijal para planejar a próxima safra de verão. Dia de Campo, nesta quarta-feira, 14, reuniu cerca de 45 produtores e profissionais ligados às unidades de Carazinho e Lagoa dos Três Cantos na Área Experimental da cooperativa, em Não-Me-Toque.

Leonardo Goellner, com 750 hectares de lavouras em Carazinho, não conhecia o trabalho da cooperativa e saiu satisfeito com o que viu. ''Eu achei fantástico. Um trabalho completo e que dá total segurança para o produtor seguir as recomendações na área técnica e, gradativamente, aumentar a produção e reduzir custos. Que mais agricultores tenham a oportunidade de ver isso de perto'', opinou. Ele já deu início à colheita da soja e espera superar marca da safra passada, quando atingiu a média de 77 sacas/ha. O produtor é um dos multiplicadores de sementes da Cotrijal.

Quem também saiu impressionado com o trabalho foi o produtor Miguel Maldaner, com mais de 220 hectares nos municípios de Tapera e Lagoa dos Três Cantos. ''Achei a visita muito válida, especialmente a parte que mostrou a importância do milho no sistema de produçã'', falou. Ele estava acompanhado do irmão Jorge e da filha Natália, que cursa Agronomia. No último ano, ele colheu 76,5 de média na soja. Para essa safra, apesar de ter faltando chuva, está otimista. ''Pelo que dá para ver, vamos colher bem'', disse.

Com boa palhada e safra recorde no último ano - 73 sacas/ha em 2,2 mil hectares - o produtor Paulo Müller, com lavouras em Jari, sempre acha que dá para melhorar. O trabalho na lavoura é feito em parceria com os irmãos Jorge e João Carlos. ''Achei muito bom. A Cotrijal dá alternativas para o produtor ter a melhor lavoura. Por isso estamos juntos'', disse.

A melhor solução sempre

Na conversa que teve com os produtores, o coordenador técnico de Difusão da Cotrijal, Alexandre Doneda, falou sobre manejo e conservação de solo, a importância da rotação de culturas, com o retorno do milho para o sistema de produção, alternativas de plantas de cobertura para o período de entressafra e manejos fitossanitários para controlar pragas e doenças.

Na sequência, o gerente de Produção Vegetal, Juliano Recalcatti, e o coordenador técnico de Validação, Fernando Geraldo Martins, apresentaram para o grupo o trabalho que está sendo conduzido na Área Experimental. ''São mais de 500 parcelas com ensaios para levar a melhor alternativa e facilitar a vida do nosso produtor'', destacou Recalcatti.

Visitas agendadas - Produtores interessados em conhecer trabalho da Cotrijal na Área Experimental devem procurar pela sua unidade de atendimento.

Fonte: Ascom Cotrijal.




Compartilhe esta notícia em suas redes sociais