Política

Sindicato dos servidores municipais de Carazinho pede que prefeito cumpra acordo e retire projeto sobre troca de padrão

Ana Maria Leal
Janeiro 09 / 2018

O Projeto de Lei N° 002/18 de autoria do Poder Executivo e que consta na pauta de votação da câmara de vereadores para a sessão extraordinária desta quarta-feira, dia 10, às 11h, não foi bem recebido pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Carazinho. O projeto ''extingue, enquadra cargo e altera padrão de cargo do Quadro de Pessoal Efetivo do Município, constante da Lei Municipal nº 7.088/09'' e diz respeito a alteração de padrão de 3 para 6 de quatro pessoas do cargo de contínuo.

O projeto teve entrada dia 02 de janeiro e tramitou em regime de urgência, mas em entrevista para a Rádio Gazeta nesta tarde o presidente do Sindicato, Luis Claudiomiro de Quadros, o Chico, disse que durante reunião com o prefeito Milton Schmitz no dia 04 de janeiro havia sido pedido a ele que não colocasse em votação esse projeto, e voltassem à discussão em fevereiro. O prefeito teria afirmado na ocasião que atenderia o pedido.

Por esse motivo a inclusão do projeto na pauta de amanhã causou surpresa. ''Quando fomos  negociar o aumento salarial com o prefeito, no dia 04, solicitamos que se esse era o plano, de votar o projeto, não colocasse em votação pois seria uma afronta aos demais servidores, o prefeito garantiu que iria suspender a tramitação do projeto até fevereiro, e para nossa surpresa está na câmara para ser votado. Entrei em contato com o Vanderlei (Lopes), disse que iria falar com prefeito, nos deu um retorno dizendo que o assessor jurídico do município iria falar com o sindicato, e ele não apareceu''.

Conforme Chico o cargo de contínuo é por origem padrão 1, na gestão do prefeito Aylton Magalhães foi aumentado para padrão 3, a seguir houve tentativa de passar para o padrão 6, mas a categoria conseguiu impedir essa votação na câmara. ''É muito cômodo uma pessoa  fazer concurso no padrão 1 e cada prefeito dá um canetaço e sobe de padrão, sem a pessoa prestar concurso, então o próximo prefeito vai lá e aumenta também. Queremos que o prefeito seja sensível e cumpra com o que definiu na mesa de negociação, até voltar a conversar no futuro. Porque privilégio para esse cargo ser reclassificado, se já foi beneficiado lá no mandato de Aylton? que o prefeito Milton retire para não criar mais tumulto para a categoria''.

Ele acrescenta que nesta terça-feira recebeu vários telefonemas de servidores indignados com o projeto, e que está sendo pedida a retirada da pauta por parte do Executivo.

Caso o projeto vá à votação deve ser aprovado pois o governo tem a maioria na câmara.

Porém, se isso ocorrer, o sindicato vai encaminhar o caso ao Ministério Público e Tribunal de Contas já que considera incorreto alguém fazer concurso para um determinado padrão e depois através de canetaços e projetos de lei ser beneficiado com mudanças.   ''Que o prefeito cumpra o acordo, não quebre essa relação de muito respeito com o sindicato em que sempre o que foi acordado foi cumprido, e cumpra o que ele disse na mesa de reunião, mas infelizmente o projeto esta lá na câmara para ser votado''.




Publicado por: Ana Maria Leal E-mail: anamaria@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais