Agronegócio

Programa monitora: guerra contra o percevejo continua

Emilio Arruda
Dezembro 12 / 2017

Informação de qualidade e tecnologias adequadas são as armas que a equipe do Departamento Técnico (Detec) da Cotrijal disponibiliza aos produtores para garantir a sanidade da lavoura de soja. Lado a lado com o produtor, a meta da equipe é auxiliar para que a produção mais uma vez seja farta.

Através de ação conjunta em todas as unidades da cooperativa, dentro do Programa Monitora, nesta terça-feira (12), o Detec planeja capacitar mais 2 mil produtores a adotarem as melhores estratégias contra o percevejo. A iniciativa visa alertar para a necessidade do controle da praga já na fase inicial da soja. ?Em função do inverno com clima mais quente do que o habitual, chegamos na semeadura da soja já com população elevada de percevejos. Embora o inseto não cause dano agora, se deixarmos para fazer o controle somente na fase reprodutiva, quando ocorre o ataque à soja, não vamos conseguir eliminar toda a população, principalmente porque é difícil chegarmos com os produtos na parte mais baixa da planta?, explica o gerente de Produção Vegetal da Cotrijal, Juliano Recalcatti.

Durante as palestras, os profissionais da Cotrijal também orientam os produtores quanto ao controle de outras pragas que têm atacado as lavouras e em relação ao manejo de doenças, especialmente a ferrugem asiática, que já foi detectada em alguns pontos do Rio Grande do Sul. Até o dia 11 de dezembro, a doença havia sido confirmada em quatro lavouras comerciais, localizadas nos municípios de Cruz Alta, Sananduva, Santo Augusto e Roque Gonzales.

O produtor Felipe Glienke, que acompanhou a palestra na unidade de Não-Me-Toque, disse estar preocupado com a quantidade de percevejos na lavoura de 24 hectares, mas já tem o controle planejado. ?Seguindo as orientações do Departamento Técnico, como já aconteceu na safra passada, vamos conseguir sucesso no combate a essa praga?, afirma.

Assim como fez Glienke, a orientação é que o produtor permaneça atento à lavoura, monitorando pelo menos três vezes por semana a soja, e se mantenha próximo do Departamento Técnico da Cotrijal para adotar a estratégia correta para cada situação. ?Juntos, vamos colher o melhor resultado?, conclui Recalcatti.


(Fonte: Assessoria de Imprensa)




Publicado por: Emilio Arruda E-mail: emilio@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais