Geral

Na Gazeta: Vencer o abandono é um dos muitos desafios da causa animal

Setembro 25 / 2021

Em apenas dois dias 16 filhotes de cães foram abandonados em frente ao abrigo da Associação de Proteção aos Animais São Francisco de Assis (Apasfa) em Carazinho. Sete num dia, nove no outro. Foi o que contou Berenice Muller, uma das pessoas que atua na causa animal em Carazinho, ao participar do programa Lado a Lado Com a Notícia desta sexta-feira (24) sobre o 04 de outubro, data em que, além de celebrar o dia de São Francisco de Assis, patrono dos animais, também se comemora o Dia Mundial dos Animais, e nos últimos anos uma campanha nacional paralela vem sendo desenvolvida instituindo a data como ''Dia Nacional da Adoção Animal''.

Conforme Berenice todas as campanhas de adoção são muito importantes e somam no esforço diário de quem conhece a realidade não apenas de Carazinho, mas de muitos outros locais onde é preciso muita conscientização. ''Infelizmente o abandono é enorme, principalmente de filhotes que a gente nem sabe se vão conseguir sobreviver sem a mãe, mas abandonam também cães adultos, como esse da foto, deixado amarrado em frente ao abrigo nessa semana, morto de fome, muito fraco e magro, mas agora estamos buscando um lar temporário onde ele possa ficar e ser cuidado até que ganhe peso, melhore de saúde e possa ser castrado e colocado para adoção''.

Com o abrigo lotado, não há como receber mais animais, por isso é buscado ajuda com lar temporário. No caso desse cão, quem quiser oferecer o lar temporário deve ter apenas um pátio fechado e seguro onde ele possa ficar, pois o alimento e outros cuidados são fornecidos enquanto o cão estiver lá. Contatos com Bere no (54) 9 9942-8901.

Sobre o frequente abandono em frente ao abrigo, Berenice diz que videomonitoramento já está sendo providenciado para registrar quem comete esse ato para que seja encaminhado aos órgãos policiais, já que abandono é crime conforme a lei de proteção aos animais, e essas pessoas serão identificadas e responsabilizadas.

Ainda sobre o ato de adotar, ela orientou que antes da adoção a pessoa pense bastante, avalie se terá condições de arcar com a responsabilidade de manter o animal de estimação já que essa consciência vai evitar abandono futuro. Também considera importante que a pessoa analise o tipo de animal, cão pequeno ou de maior porte, conforme o espaço que terá para ele usufruir.

No caso de gatos, o interessado deve lembrar que se morar em apartamento vai precisar providenciar tela nas janelas para que não haja quedas ou fugas, ou seja, pensar na proteção daquele que estará sob sua responsabilidade a partir da adoção.



Publicado por: Ana Maria Leal E-mail: anamaria@gazeta670.com.br
Compartilhe esta notícia em suas redes sociais