Coluna Circulando e a política atual.

Absolvido.

Ana Maria Leal
Fevereiro 18/ 2021

Após 8 anos buscando na justiça reverter um total de quatro condenações a partir da acusação do Ministério Público Eleitoral por compra de votos, boca de urna e transporte de eleitores, o pedetista Leodi Altmann teve no final do ano de 2020 o desfecho com o julgamento do recurso criminal/ação penal que o absolveu pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE/RS).

Ele participou do programa Lado a Lado Com a Notícia desta quinta-feira (18) falando a respeito.

Relembrou o caso que teve início em 2012, após ter concorrido a vereador, sido diplomado e ter o diploma cassado no dia 17 de dezembro daquele ano.

Além da perda do mandato, foi condenado a multas que somaram em torno de R$ 50 mil, 1 ano e 3 meses de trabalho comunitário, que prestou na escola Carlinda de Brito, e seis anos de reclusão.

Essa condenação criminal foi a última julgada.

A decisão dos desembargadores foi ''por unanimidade reformar a sentença para absolver, por insuficiência de provas, Leodi Irani Altmann da imputação de prática do crime''.

Conforme o acórdão datado de 04/122/2020 cujo relator foi o desembargador eleitoral Miguel Antônio Silveira Ramos: ''Acordam os juízes do Tribunal Regional Eleitoral, por unanimidade, ouvida a Procuradoria Regional Eleitoral, dar provimento ao recurso criminal para extinguir a punibilidade dos recorrentes quanto aos delitos previstos (...) e reformar a sentença para absolver, por insuficiência de provas, Leodi Irani Altmann''.

O pedetista afirmou que desde então é uma nova vida.

Não parou ainda para pensar se pretende voltar a concorrer, mas nada está descartado, afinal, são 30 anos na política, aquele (em 2012) seria o sexto mandato como vereador.

Por enquanto, está vice-presidente do PDT de Carazinho, e o que pretende é continuar participando das decisões da sigla. 





Compartilhe esta coluna em suas redes sociais