Coluna Circulando e a política atual.

UVB defende reformas.

Ana Maria Leal
Fevereiro 12/ 2021

Gilson Gonzatti, presidente da União dos Vereadores do Brasil (UVB) participou do Lado a Lado Com a Notícia desta sexta-feira (12), falou sobre o ano político que está começando e a pauta de reformas que estão sendo encaminhadas.

Todas consideradas pela entidade como essenciais para a retomada econômica pós pandemia.

"Precisamos aproveitar esse momento para repensar nosso país, o papel do estado, as ações dos agentes políticos, porque precisamos diminuir o custo Brasil. Precisamos diminuir esse peso para a população, o estado, o agente político/público, custa muito caro, não podemos mais pagar essa conta e muitas vezes por ineficiência, um estado que custa caro e não presta bom serviço à sociedade, o serviço que a sociedade espera''.

Na sua opinião a população tem que estar atenta à pauta de reformas, seja tributária, administrativa ou política.

''São reformas que precisam acontecer, logo vem a reforma administrativa, e que possa diminuir o tamanho do estado na vida das pessoas, mas pouco vai mudar, então que aumente a eficácia e diminua o custo Brasil, a burocracia nesse pais é muito grande, muito pesada e muitas vezes tranca o desenvolvimento. Precisa andar a reforma tributária, vai simplificar os impostos, não é a reforma que sonhamos, mas já vai avançar, não podemos permitir o aumento da carga tributária para o pagador de impostos, e parece que o congresso tem esse pensamento. É um bom sinal, gostaríamos que diminuísse o custo para o pagador de impostos. E aproveitando a reforma tributária entraríamos no pacto federativo, melhor divisão do bolo tributário, dando condições para os municípios terem mais poder econômico e financeiro para fazer as ações. Os prefeitos tem que cumprir as obrigações mas não dizem de onde tem que vir o dinheiro, tem que ter recursos para os municípios. São reformas extremamente importantes para nós''.

Além disso, não podemos esquecer que o presidente da câmara dos deputados disse que vai criar comissões para discutir mudanças na lei eleitoral.

Isso inclui retomar o sistema chamado distritão, que deixará para trás o sistema proporcional para preencher os parlamentos (câmaras de deputado, assembleias e câmaras de vereadores) que seriam compostas pelos mais votados, e não pelo coeficiente, como ocorre atualmente.

Gonzatti lembra que paralelo às reformas isso vem sendo tratado, já que para ter validade nas eleições do ano que vem a aprovação deve ocorrer até outubro deste ano.

A UVB apoia o sistema de distritão. 




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais