Coluna Circulando e a política atual.

Perfis técnicos.

Ana Maria Leal
Janeiro 11/ 2021

A presença da prefeita em exercício, Valéska Walber, no plenário da sessão da câmara de vereadores nesta noite de segunda-feira (11) fez com que muito do que alguns parlamentares quisessem dizer à administração fosse repassado diretamente a ela.


Alécio Sella (PP), por exemplo, aproveitou a oportunidade para lembrar que sua posição é de que a gestão tem que ser feita por pessoas técnicas.

Deu exemplos de setores que não são conduzidos desta forma: as secretarias da Fazenda e da Agricultura.

Disse que um orçamento do porte do que Carazinho tem, precisa estar em mãos apropriadas.

''Para a Fazenda um nome é do Gilmar Maroso, que está disponível no mercado, e é altamente qualificado, e para a Agricultura, tenho certeza de que o Sindicato Rural tem vários nomes a indicar''.

A referência de Alécio para a Fazenda é do Professor Doutor que estava à frente do Campus da Ulbra em Carazinho até pouco tempo.

Para a Agricultura, não será por falta de nome que a gestão não terá um técnico.

O outro progressista na câmara, Daniel Weber, também já tem um nome para indicar: citou Aldrin Kayser, demonstrando o quanto há uma relação de proximidade e confiança entre eles.

Aldrin já está no governo desde a semana passada, quando foi nomeado diretor técnico do Meio-Ambiente, voltando à gestão da qual era o secretário de Agricultura, nos primeiros anos do prefeito Milton.

Lembrando que na Fazenda está o emedebista Deninson da Costa, tido na gestão anterior como ''O homem forte do Desenvolvimento'', agora suplente de vereador, de total confiança e do núcleo familiar do prefeito.

Na Agricultura, Felipe Sálvia, presidente do PSB, partido que desde 2016 integra a coligação vitoriosa. 

Ou seja, difícil que ocorra qualquer alteração.

Difícil, mas não impossível, em se tratando de política. 




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais