Esporte Feminino

Guia do Brasileirão Feminino: o que você precisa saber sobre a competição - parte 1

Kaliandra Alves Dias
Setembro 23/ 2020

A principal competição de futebol feminino no país, o Brasileirão Série A1 surgiu em 2013 – quando a CBF decidiu criar a competição em parceria com a Caixa Econômica Federal. A primeira edição teve a participação dos 20 melhores clubes posicionados no ranking da Confederação. 

A primeira modificação na fórmula de disputa aconteceu em 2017, quando a 1ª divisão foi reduzida, passando de 20 para 16 times. Além disso, também foi criado a Série A2 – que também conta com a presença de 16 equipes e a tradicional Copa do Brasil Feminina foi extinta. 

Nas oito edições que foram realizadas, o Estado do São Paulo é o maior campeão com seis título conquistados (em 2013 com o Centro Olímpico, Ferroviária (2014); Rio Preto (2015); Santos (2017); Corinthians (2018) e a Ferroviária em 2019). 

As participações da dupla Gre-Nal

O Grêmio disputou pela primeira vez o Brasileirão Feminino em 2017. Na ocasião, as Gurias Gremistas montaram o seu time em parceria com a Associação Gaúcha de Futebol Feminino (AGFF), onde amargaram o seu primeiro rebaixamento na competição - na época, a fórmula de disputa era a seguinte forma: na primeira fase, os clubes foram divididos em dois grupos, onde se enfrentaram entre si. Na fase 2, os quatro melhores de cada grupo iriam se enfrentar - após o enfrentamento, os times que classificados iriam disputar a semifinal e a disputa pelo título. 

O departamento feminino do Internacional também começou os seus trabalhos em 2017. No ano seguinte, as Gurias Coloradas disputaram a Série A2, onde conquistaram o acesso à elite após se classificarem na semifinal, mas infelizmente foram eliminadas pelo Vitória - que acabou perdendo o título nas penalidades para o Minas Icesp. 

Nova fórmula de disputa em 2019

A edição do ano passado foi com novidades na fórmula de disputa, onde as equipes passaram a integrar apenas uma chave. Nos jogos que são disputados em apenas um turno, as oito melhores colocadas avançam às quartas de final. A partir do mata-mata, as partidas são disputadas em jogos de ida e volta, sem o critério do gol qualificado. Outra novidade foi o rebaixamento, onde os quatro piores times vão jogar a Série A2 no ano seguinte.  



(Foto: Divulgação/ Jonatan Dutra/Ferroviária)




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais