Coluna Circulando e a política atual.

Falta de comunicação?

Ana Maria Leal
Setembro 17/ 2020

A sessão da câmara de vereadores desta semana teve explanada uma dúvida de para onde vão os requerimentos/indicações com pedidos de providências encaminhados pelo legislativo ao executivo municipal.

Quem colocou o assunto na pauta foi o vereador Anselmo Britzke (Gauchinho).

Disse que chamou sua atenção declaração na rede social feita pelo diretor do Departamento Municipal de Trânsito, Ivânio Lima Martins, referente a instalação de um quebra-molas na Polidoro Albuquerque, após acidente que resultou em duas mortes no dia 9 deste mês.

Gauchinho citou o conteúdo da declaração, pois informava que nenhum pedido referente aquele trecho da cidade havia sido feito ao departamento.

Porém, dois requerimentos de providencias foram feitos sobre a Polidoro Albuquerque, um datado de fevereiro de 2019, assinado pelo então vereador Alexandre Capitânio, e outro de maio de 2020, assinado pelo vereador e presidente da câmara Gian Pedroso.

Gauchinho afirmou que o objetivo da abordagem não é o acidente, e que não está usando a tragédia para se promover.

''Sugiro que a presidência da casa, a mesa diretora tome providência, envie um ofício ao diretor do departamento de trânsito, ao presidente do Conselho Municipal de Trânsito, para que seja averiguado. E não estou usando a tragédia para promover nada, quero deixar claro, pois o boletim de ocorrência mostrou que não foi por falta do quebra-molas, Carazinho é a cidade dos quebra-molas, tem em todo lugar, mas me preocupa o diretor de trânsito dizer que não tinha nenhuma requisição de vereadores, independente de quem é o vereador. Isso teria que ser explicado''.

Procurei por essa explicação.

Em contato com o diretor Ivânio nesta quinta-feira (17), me disse que o Departamento Municipal de Trânsito enviou em 2019 para a câmara o ofício 126/2019 com o seguinte texto:

''Referente a redutores de velocidade, tipo quebra-molas, comunicamos que, em reunião ordinária realizada pelo Conselho Municipal de Trânsito, em 11 junho de 2019, ata 06/2019, os senhores conselheiros decidiram, por unanimidade, suspender a apreciação de novos pedidos de redutores do tipo quebra-molas, tanto advindos dessa egrégia casa quanto de protocolos da comunidade, essa decisão é resultado da grande demanda, e a quantidade já aprovada que aguarda execução, mais de 40, esgotando a verba destinada para esse fim durante o ano de 2019''.

É informado no protocolo do ofício o recebimento na câmara em 12 de junho de 2019.

Porém, conforme Ivânio, mesmo após ter sido comunicada essa posição do setor de trânsito, os vereadores continuaram mandando os requerimentos com pedidos de quebra-molas.

Pedidos que o DMT parou de receber, devido à orientação do Conselho de Trânsito.

''Se o Conselho havia avisado que estava suspensa qualquer tipo de nova votação de redutores de velocidade, obviamente que não iria cair na mesa do diretor ou chefe do setor documentos solicitando quebra-molas''.

Ivânio acha que no legislativo podem ter esquecido dessa comunicação.

E mais, me informou que após pedido em maio deste ano do vereador Gian, ele mesmo manteve contato informando que poderia ser feito um estudo sobre a solicitação.

Solicitação essa que, vale apontar, era de trecho da Polidoro no cruzamento da Corsan, não onde ocorreu o acidente deste mês.

Considerando a dúvida do vereador Gauchinho, bem como o fato de que só na sessão desta semana, de um total de 13 indicações protocolados pelos vereadores, 8 eram pedidos de quebra-molas, seguramente tal documento do DMT que chegou na câmara há mais de um ano, por algum motivo, não é de conhecimento dos vereadores.

Ou é do seu conhecimento e, mesmo assim, fazem as solicitações cientes de que não serão atendidos, e usam esse documento apenas para agradar eleitores que possam estar na espera desse tipo de providência. 

Abaixo reproduzo cópia do documento do setor de trânsito que me foi repassado







Compartilhe esta coluna em suas redes sociais