Coluna Circulando e a política atual.

Pedido de Informação.

Ana Maria Leal
Junho 10/ 2020

Já não é a primeira vez que o vereador Tenente Costa (MDB) questiona recursos específicos da área do esporte em Carazinho, e, nesta semana, isso ocorreu de forma diferente.

Através de um requerimento de pedido de informação para que o executivo apresente ''a documentação da área dos campos de futebol, do E.C. rodoviário, Brasil, Floresta e Glorinha''.

Ao explicar porque quer ter em mãos, detalhadamente, essas respostas, o vereador disse que tem sido questionado de porque tal representante do esporte recebe recurso e outro não.

Nessas ocasiões, responde que tem a ver com questões referentes à regularização de cada um que solicita recursos e a elaboração de projetos, e que, se isso não ocorre, não há como receber verba pública.

O vereador também não concorda com comparações de quem aponta o esporte de décadas de 80 e 90 como muito mais abrangente do que na atualidade.

Para ele isso é um sinal dos tempos.

''Naquela época as pessoas não tinham outra coisa pra fazer, o que a gente fazia domingo de tarde? a gente ia jogar bola no campo da Associação da Ouro Preto. Não tinha outra coisa. Hoje você não consegue levar a gurizada pro campo, eles querem o computador, internet, outras atividades. Além do mais, naquela época Carazinho tinha mais de 20 campos, hoje tem quatro. Temos é que legalizar (esses campos) e evitar o que outras administrações passadas fizeram, terminaram com os campos pra fazer condomínios, quando o município tem várias áreas que poderiam ter sido utilizadas pra condomínio''?.

Tenente Costa também defende que haja apenas um órgão direcionado ao esporte na cidade.

''Uma questão que venho batalhando há tempo é da Fundescar e CMD (Conselho Municipal de Desporto). Já levei ao executivo que deveria ter um órgão só direcionado ao esporte, e deveria ser a Fundescar, que, como fundação, se tivesse projetos gerados na Fundescar, teria inúmeras verbas para o esporte, falta isso na Fundescar. Sabemos que logo que foi criada, e a fundação é para a cultura também, a Fundescar fazia chover em Carazinho, mas de uns anos pra cá não temos mais isso, será que mudou o estatuto e não sei? porque verba continua recebendo igual, são R$ 200 mil por ano para a Fundescar, e pelo que me informaram, só pra manutenção do Glória, Atlético e ginásio da Fundescar. E tem que ver essa manutenção: é muito caro R$ 200 mil ano pra manter dois campos e um ginásio de esporte, campos nem utilizados, e quando a várzea precisa tem que pagar uma taxa. Temos que rever essa situação''.




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais