Coluna Circulando e a política atual.

Guarda compartilhada.

Ana Maria Leal
Junho 08/ 2020

Diante de incansáveis elogios manifestados na câmara de vereadores por parte da base aliada do governo municipal, partiu do vereador Ivomar Tomate de Andrade (PP) uma colocação interessante que devolve ao legislativo parte da sua responsabilidade para com o que de positivo acontece em Carazinho.

Tomate afirmou que está muito tranquilo sobre suas ações e votações em plenário para que projetos em andamento que dizem respeito às ações do executivo sejam aprovados.

''A câmara não é um braço do executivo, não é subsecretaria, quando vai um projeto de crédito suplementar, auxilio financeiro, para atender a saúde, enfim, tem a participação efetiva do legislativo, dos vereadores, que votam favoráveis. Quero dizer a população que se o Executivo existe é porque existe o Legislativo, e o Legislativo faz sua função, de avaliar o que é bom para a comunidade. Não é meritocracia de um poder''.

Além de ter consciência do dever cumprido nesse sentido, Tomate, lamenta que alguns colegas possam ter autoestima baixa.

''Se sujeitam a dizer o Executivo, o Executivo, paixões desvairadas, fico me perguntando porque essa vaidade toda, porque só um poder, em ocupar a cadeira do Legislativo se entende que o Executivo é sobreposto ao Legislativo. Não existe, sobreposição, existe poderes, e isso me preocupa, nenhum está agregado ao outro no sentido de subordinação, a câmara está cumprido seu papel. Se tem melhorias na cidade é porque passou pelo legislativo também, o pai da criança não pode ser só um, é uma guarda compartilhada da sociedade, todos cuidam de seus cidadãos, de forma partilhada e não individualizada''.

Se estamos falando de algo difícil em termos normais, imagine em ano de eleições municipais...




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais