Apaixonados pelo Colorado

Retorno do futebol

Anderson Amaral
Abril 20/ 2020

Passado o primeiro mês da pandemia que acomete o mundo, identificado como COVID-19, várias são as opiniões a respeito da provável data de retorno das atividades normais da população.

Com certeza antes de se falar em retorno do futebol, devem os clubes e federações visar à preservação da vida, tanto de atletas, funcionários, diretores, imprensa e torcedores. Portanto, somente com o auxílio das autoridades governamentais de saúde é que poderá ser fixada alguma data para o retorno das atividades esportivas.

Em cada país e em cada região em países com enorme extensão territorial, como é o caso do Brasil, o avanço ou retrocesso da pandemia possui características próprias, o que ensejará diferentes períodos para o retorno do futebol.

Em nosso Estado o que mais se mostra próximo para o retorno é o Gauchão,  no mês de junho, cujas datas dependem dos calendários que serão disponibilizados pela CBF e Conmebol.

De qualquer forma, a certeza é que os jogos iniciais quando do retorno das competições, serão com portões fechados, sem a presença dos torcedores, até que ocorra a estabilização da possibilidade de contágio do vírus do momento.

Afora os prejuízos econômicos, que atingem todas as categorias da sociedade, os clubes terão que promover novo período de pré-temporada, pois os atletas com certeza perderam o condicionamento físico e a capacidade aeróbica que tinham quando do cancelamento dos jogos no mês de março.

No caso do Internacional, mais uma vez a torcida dá o exemplo, mantendo as contribuições das mensalidades com baixa redução de inadimplência, o que torna mais fácil a manutenção dos compromissos do clube, principalmente a folha de pagamento e demais despesas.

De qualquer forma, o futebol durante este período deu vários exemplos de comprometimento com a sociedade, pois vários jogadores e ex-jogadores se tornaram líderes em campanhas de arrecadação e distribuição de produtos essenciais para comunidades carentes, além de terem os clubes se colocado à disposição dos governos para eventual instalação de unidades de saúde em seus redutos.

Por mais que estejamos ansiosos pelo retorno do futebol, temos que ter a responsabilidade de que isto ocorra somente quando os índices de contaminação do vírus tiverem sido reduzidos a limites ínfimos, evitando o retorno da disseminação em massa e o acúmulo de pacientes nas poucas unidades de saúde disponíveis para pacientes graves.

Que assim seja.

Grande abraço.



(Foto: Divulgação Inter)



E-mail:
Compartilhe esta coluna em suas redes sociais