Coluna Circulando e a política atual.

Tudo a seu tempo.

Ana Maria Leal
Fevereiro 14/ 2020

O Partido Novo em Carazinho não terá candidatura para a câmara de vereadores nas eleições municipais deste ano, como já havia sido informado ainda em 2019, pois havia metas estabelecidas que não foram atingidas, como o número de filiados.

Em entrevista para a Rádio Gazeta nesta sexta-feira (14) Piero Pauleto da Costa, representante da sigla na cidade, informou que está decidida a participação do partido apenas em quatro cidades gaúchas no pleito que se aproxima: Santa Cruz, Canoas e Caxias com candidaturas a prefeito, e em Porto Alegre candidatura a vereador.

Em Passo Fundo, onde havia um grande trabalho também feito ao longo dos últimos anos e onde Piero se envolveu bastante, também não haverá candidatura e não em razão do número de filiados, que foi atingido, mas porque não seria atingido o valor estimado para bancar a campanha, já que o Novo é custeado pelos próprios integrantes, pois não utiliza fundo partidário nem fundo eleitoral.

Na Gazeta, Piero fez ainda um apanhado dos 9 anos do Novo, completados nesta semana, e disse que a mobilização continua pensando no pleito de 2022 quando o partido pretende reforçar sua base nas eleições para assembleia e câmara federal, entre outras que serão realizadas na data.

Para a filiação e para, a seguir, concorrer pelo Novo, o interessado passa por um processo seletivo, para candidatos está sendo feita essa análise em nível nacional, e para quem critica esse tipo de postura, Piero explica:

''O Novo aprova quem é alinhado, acredita nos estatutos e valores do partido, cerca de 1/3 das pessoas passam nesse processo seletivo, se escuta algumas reclamações sobre essa avaliação, mas agora mesmo, aqui na Gazeta, estava numa entrevista um especialista em ombro e cotovelo, - coincidentemente a mesma especialização do meu irmão - são caras que estudam tanto tempo pra cuidar de um cotovelo, ombro, fazer uma cirurgia, será que não existe o mínimo de capacidade e aptidão pra trabalhar na política, onde a responsabilidade é muito grande? no privado você pode escolher se vai fazer a cirurgia de ombro no profissional 'a' ou 'b', pode escolher quem vai fazer o melhor trabalho, na política, a gente vota e acabam eleitas pessoas que não escolhemos, e está com eles a responsabilidade de cuidar do nosso dinheiro, será que não deveria haver uma seleção pra escolher essas pessoas?''.

E ele convida para seguir o Novo nas redes sociais, @novocarazinho


Compartilhe esta coluna em suas redes sociais