Coluna Circulando e a política atual.

Novas paradas.

Ana Maria Leal
Dezembro 13/ 2019

Assunto recorrente entre os moradores de Carazinho nos últimos dias, não foi diferente na câmara de vereadores durante a sessão extraordinária desta quinta-feira (12).

As novas paradas de ônibus.

Fábio Zanetti lembrou que a construção é resultado de ação judicial há 15 anos proposta pelo Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência, mas que a entidade não participou do desenvolvimento do projeto e não há rampas para o acesso dos cadeirantes. ''Carazinho virou chacota por causa das paradas de ônibus, foi uma luta, uma conquista, um valor que não é barato, e vai ficar muito feio para Carazinho se continuar assim''.

Tenente Costa lembrou que durante a tramitação na câmara do projeto das paradas houve vários questionamentos. ''A gente sabia que desde o começo as paradas não teriam sua eficiência, eficácia que a gente esperava, agora terão que ser reformuladas, principalmente a questão do calor, e por ser toda de metal, há necessidade inclusive de saber dos bombeiros, porque ela deve ter um aterramento, ou, se der uma chuva, vai ficar mais perigoso ficar debaixo das paradas do que na rua tomando chuva''.

Mauro Locatelli, que abordou o assunto nas redes sociais, falou no Lado a Lado Com a Notícia desta sexta-feira (13) que após os questionamentos foi convidado a ir até o setor de Planejamento da prefeitura para esclarecer suas dúvidas, e lá confirmou que as paradas não foram feitas com o aterramento.

Na manhã de hoje telefonei para a secretária de Planejamento Vanderlise Girardelo para que participasse do Lado a Lado e falasse a respeito.

Disse que não poderia, e me encaminhou a uma servidora do setor, arquiteta.

Foi essa profissional, Mariana, que com toda a boa vontade me recebeu nesta tarde e explicou, de forma técnica, porém sem gravar uma entrevista, todos os detalhes sobre as novas paradas.

Vou resumir as informações obtidas que podem ser interessantes aos leitores.

-A solicitação do projeto ao setor ocorreu em face do cumprimento da determinação judicial, no início deste ano, e era para ser cumprido em curto espaço de tempo.

-Foram repassados os locais já pré-definidos para instalação das novas paradas, em número de 10.

- O Planejamento fez a vistoria nos locais considerando prioridades como atender os princípios de acessibilidade.

- Foram definidas paradas modulares, ou seja, num dos pontos poderia ter um módulo e em outro, mais módulos, dependendo da necessidade. Mais módulos, por exemplo, na Mauá, próximo do La Salle.

- As paradas foram idealizadas com um design diferenciado, com um fechamento lateral, sem prejuízo à acessibilidade, numa estrutura metálica em aço galvanizado bastante utilizado em paradas em outros municípios, e de durabilidade. Essa estrutura pode receber pintura ou revestimento, adesivos, como rotas dos ônibus. Inicialmente a ideia era de que tivesse parte metálica e parte translúcida, mas devido ao orçamento ficou definido pela totalidade metálica.

- Não há aterramento porque os modelos similares existentes em outros municípios também não tem aterramento.

- Das 10 previstas, a empresa responsável, que venceu a licitação, Eletrotec Sistemas de Energia LTDA, falta terminar apenas três. Ela foi a única habilitada e a proposta no valor de R$ 138.581,63. Esse valor eu obtive no site da prefeitura, no link sobre a licitação realizada.

- A fiscalização da obra é realizada pelo setor de Planejamento.

- Todo o projeto passou pelos secretários de Planejamento e Desenvolvimento, pelo prefeito, e a seguir, foi aprovado na câmara de vereadores.

Além desses detalhes, pelo que compreendi a situação mencionada pelo vereador Fábio sobre as rampas não está contemplada no projeto porque diz respeito à 'travessia de pedestres', não estava inclusa na licitação, e para a execução de uma rampa tem que haver uma faixa de pedestre, o que não existe junto à maioria das paradas.

É por essa faixa que haverá segurança para o cadeirante chegar até a parada.

Um exemplo é essa da foto acima, localizada próximo da estação rodoviária, na avenida Flores da Cunha. A não ser que a faixa esteja apagada e não apareça na imagem.

Até perguntei se a justiça havia sido informada desse detalhe, e me foi dito que sim, pois o projeto foi encaminhado à essa esfera pela prefeitura antes da execução, já que tudo era em atendimento à essa determinação judicial.

A princípio não haverá mudança o projeto das demais paradas.

Procurei pelo secretário de Desenvolvimento Dêninson da Costa nesta sexta à tarde na prefeitura, para convidar para participar do Tribuna Livre na manhã deste sábado e abordarmos o assunto.

Está viajando. Foi a São Paulo participar de um evento relacionado a negócios com a China.

Se é que entendi direito, pois ninguém com quem falei soube me dizer exatamente o nome da programação e os compromissos dele lá. 

Porém, o secretário já divulgou a viagem em sua rede social.



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais