Coluna Circulando e a política atual.

Dinheiro não falta.

Ana Maria Leal
Setembro 02/ 2019

O vereador Lucas Lopes teve nesta segunda-feira (02) a primeira oportunidade - após o retorno ao legislativo - de não votar conforme a vontade do seu partido, o MDB, e do governo municipal.

Foi a favor da derrubada de veto em projeto do executivo que dizia respeito à possibilidade de ampliar o número de promoções aos servidores do magistério público municipal.

Ele foi minoria. O resultado somou 9 votos para manter o veto pretendido pelo governo, mas a posição de Lucas deve ter contrariado bastante o executivo.

Os outros dois que votaram da mesma forma, contra o veto, foram Alaor Tomaz (PDT) e João Pedro (PSDB).

Tudo sob acompanhamento do presidente do MDB, Jorge Dutra, secretário geral de governo, que estava na plateia.

Mais do que isso, Lucas respondeu ao desafio do pedetista Gauchinho para que explicasse porque não deu andamento às promoções enquanto estava secretário, e nem compareceu na reunião que tratou do assunto e há alguns meses, reuniu executivo, legislativo, e magistério.

Começou dizendo que um dos momentos bons de estar de volta na câmara é ''poder falar sobre muita coisa'', e terminou afirmando que não havia sido convidado para tal discussão.

Rebateu a crítica de que não teria havido planejamento na Smec para as promoções necessárias, e que há, sim recursos para fazer as duas coisas, - investir na infraestrutura e ampliar as promoções.

Disse que há falta de professores e que desde 2018 ouviu que não havia orçamento, que há convocações irregulares de muitos anos, mas que não podia passar por cima de quem tinha a caneta. 

Mesmo assim Alaor Tomaz fez críticas ao governo por não ter encaminhado o assunto há mais tempo, lembrou que na gestão da também pedetista Eloisa Dreyer como secretária de Educação foi feito o maior número de promoções inclusive pagamento de valores que estavam atrasados da gestão anterior à do PDT.

O tucano Fábio Zanetti votou com o governo mas não sem antes dizer que o projeto aprovado às pressas na semana passada teve muitas falhas, que votou favorável mas daqui para a frente não vai mais concordar em ocasiões que pautas entrarem dessa forma.

''_O projeto não estava maduro, e o resultado está aqui. Nos próximos projetos avocados (sob pedido do presidente da câmara para entrar na pauta do dia) não vou votar, vou me abster. Ocasionou toda essa situação. Não sei se é essa cidade que vivi, que estou morando, porque questões que trabalho na educação e fazem parte de Carazinho, inúmeras vezes lutei, falei com prefeito, ex-secretários, Lucas e Sandra (Citolin), pedi que tivéssemos na educação um veículo adaptado, para colocar no orçamento, pedi o Centro de Atendimento aos autistas, e a resposta sempre foi que não existe orçamento para isso. E agora eu escuto de todos, líder do governo, ex-secretário, agora escuto de todos que em Carazinho estava sobrando dinheiro para educação, então porque não se coloca onde todos precisam, porque não uma política séria, honesta, por inclusão?''.

Ficou sem resposta.

A foto acima é da sessão desta noite, e nela Lucas e Fabio aparecem lado a lado enquanto Tomate (PTB) está na tribuna, e, abaixo, encontro, à tarde, dos vereadores Lucas e João Pedro e do emedebista Felipe Gerling com o deputado Marcel Van Hattem (NOVO), a quem foram manifestar apoio, enquanto ele cumpria agenda na cidade. 




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais