Coluna Circulando e a política atual.

Projeto polêmico. Outro.

Ana Maria Leal
Agosto 21/ 2019

Depois do projeto que acaba com as diárias no legislativo de Carazinho, substituídas por ressarcimento das despesas, conforme a iniciativa do vereador e vice-presidente da câmara  Tenente Costa (PP), - que ainda está tramitando e não tem data para ser votado em plenário - agora está sendo elaborado outro projeto que deve dividir as opiniões.

O vereador Erlei Vieira, até o momento filiado ao PSDB, informou numa postagem em rede social sobre sua ideia que acaba com a figura do vereador apenas de segunda-feira, dia das sessões.

A postagem foi para cumprimentar o suplente Gilson Haubert (MDB) que deixou a câmara nesta semana com a volta do titular Lucas Lopes.

Nela, Erlei conta que a ideia já havia sido compartilhada com Gilson e consiste em que os vereadores tenham que cumprir horário, 20 horas semanais, quatro horas por dia na câmara, com controle em cartão ponto.

Em determinado momento Erlei demonstra o que pensa a respeito do projeto pelo fim das diárias, afirmando que receber R$ 5 mil ao mês (salário de um vereador) é que é ''complementar salário''.

Não poupou o colega Tenente Costa, a quem acusou de fazer demagogia para ''agradar os reis''.

Aqui está a postagem tornada pública:

 


Fui informada de que nesta quarta-feira (21), na câmara, Costa e Erlei se encontraram e houve bate-boca quando o progressista questionou o tucano que o chamou de demagogo.

Procurei ambos pelo watts para saber a respeito.

Tanto um quanto o outro me respondeu de forma concisa.

Costa disse que o colega ''não assimilou muito bem a ideia'' do projeto.

Erlei, que não foi por causa do projeto de Costa a divergência e sim do projeto que está pretendendo apresentar: ''acho que estão brabo por causa desse projeto, diárias, já virou passado''.

Disse que vai conceder entrevista a respeito e explicar os detalhes do texto quando o projeto estiver concluído.

A reação dos demais vereadores deve ser no mínimo curiosa, pois, a menos que eu esteja enganada, todos, com exceção do próprio Erlei - e talvez de Gilson, que seria também autor dessa novidade, conforme o post - não tem um vínculo empregatício, profissional, fora da casa.




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais