Coluna Circulando e a política atual.

Não agradou.

Ana Maria Leal
Julho 08/ 2019


A reação foi imediata de ouvintes que acompanhavam nesta tarde o Lado a Lado Com a Notícia ao comentário do secretário de Desenvolvimento Dêninson da Costa ao discordar de quem diz que a cidade está perdendo investimentos e não tem geração de emprego e renda.

Foi no momento em que eu perguntava a ele sobre perspectivas de negócios na cidade já que vemos investidores deixando Carazinho e se instalando, por exemplo, em Santo Antônio do Planalto, e passando pela avenida Flores da Cunha é notado a cada dia um número maior de espaços vazios.

O secretário diz que isso é questão de pelo lado em que o assunto é analisado.

''_É questão de prisma. Vejo muitos negócios abrindo, quantos restaurantes, quantas possibilidades gastronômicos se abriram nos últimos tempos em Carazinho? quantas hamburguerias, pizzaria,  essa parte gastronômica que tem a ver com nossa liderança regional e de consumo, tem se consolidado com promoções de atacadistas, alimentos, postos de combustíveis''.

O secretário disse, ainda, que essa característica de líder regional de consumo tem feito ''empresários sagazes verem esse crescimento''.

Além disso, Dêninson  afirmou que tem tratado com vários investidores ações para Carazinho mas que essas pessoas estão em compasso de espera aguardando a aprovação da reforma da previdência.

Não falou que tipo de negócios são esses, apenas que alguns são no ramo da logística ''e outros que não quero citar''.

Sobre alguns terem fechado as portas:

''_Fechou? fechou, mas também estão abrindo, temos uma sorveteria de uma rede, outros estão nos procurando, essa semana mesmo tem um empresário que quer vir ao município''.

 Dêninson também falou sobre o imbróglio envolvendo o distrito Iron, e que considera importante que o município faça o investimento necessário, e que o valor não é o empecilho. 

''_ O distrito precisa de um investimento relativamente alto do município, primeiro deve ter a liberação da Fepam, a área estava judicializada nos últimos seis anos, conseguimos nesse governo liberar, temos que seguir na licença ambiental, são 3 a 4 passos que precisam ser feitos, o município estava no segundo, conseguiu que a Fepam não zerasse, para não voltar para a estaca zero foi um grande ganho, foi feita uma vistoria pela Fepam, mas não tem porque o município não fazer o investimento, seria um erro, mesmo se o valor fosse esses R$ 7 milhões como foi dito, o município colocaria no orçamento, com condições de prazo, por exemplo R$ 700 mil por ano''.

Mas para quem acha que só o distrito Iron tem problemas, o secretário disse na entrevista que ''nem o distrito Fritz está pronto até hoje''.


Compartilhe esta coluna em suas redes sociais