Coluna Circulando e a política atual.

Caindo na rede?

Ana Maria Leal
Abril 16/ 2019

No rápido encontro que tiveram nesta terça-feira (17) quando um chegava e outro saia da Rádio Gazeta AM, o emedebista Dêninson da Costa e o pedetista Alaor Tomaz confirmaram uma proximidade entre governo e vereador que já foi notada após recente contato de Alaor com o prefeito Milton Schmitz em pelo menos duas ocasiões.

Na primeira, quando Alaor conversava com moradores da avenida São Bento onde estão sendo executadas obras de recuperação do trecho conhecido pelos alagamentos. Alaor contou que enquanto estava lá repentinamente chegou o prefeito.

Imagina que alguém tenha telefonado a ele contando que ali estava o vereador.

Conversaram amistosamente, tanto que quando o prefeito disse que estava à disposição, Alaor não se fez de rogado e solicitou uma agenda de conhecidos esportistas, e foi atendido.

Essa foi a segunda ocasião: Logo depois todos foram recebidos na prefeitura e conversaram com o chefe do executivo sobre recursos já buscados por Alaor há bastante tempo em Brasília para a área do esporte em Carazinho, e que precisam ter algum cadastro de renovação - se entendi bem - feito pela prefeitura.

Pois nesta tarde Dêninson disse em pelo menos dois momentos que a base do governo está aberta para Alaor.

É a maneira do governo municipal enfraquecer a minoria na câmara de vereadores que tende a fiscalizar, questionar, averiguar as ações do executivo.

Se Alaor estiver sendo contentado ao encaminhar seus pleitos junto ao governo, a tendência é que esqueça de fiscalizar, questionar, averiguar...

Só que nem tudo na base são flores.

Outro pedetista, Anselmo Britzke, o Gauchinho, usou a tribuna da câmara nesta semana para pedir ao líder do governo a lista das ruas que estão sendo asfaltadas.

Justificou que, assim como outros políticos, também quer ir nesses lugares e visitar os moradores que estão sendo abrangidos.

Afinal de contas, por que não ter o mesmo direito de colher os louros que possam ser provenientes das obras, quem sabe receber cumprimentos da comunidade, fazer com que saibam que faz parte do que está sendo executado.

Só que, se precisou pedir essa lista significa que esses ''louros'' estão sendo compartilhados entre poucos. Talvez só por um único partido.

Como a próxima eleição para a câmara não terá coligação na proporcional, cada partido vai concorrer com sua nominata, unicamente, valerá o número de votos, somente.

Quem fizer mais, entra.

Por isso, compreensível que algumas ações tenham sido limitadas ao partido de maior espaço no governo.

Afinal, o objetivo deve ser dar mais visibilidade a quem está na própria casa. 


Compartilhe esta coluna em suas redes sociais