Coluna Circulando e a política atual.

Sinal verde para o troca-troca?

Ana Maria Leal
Outubro 29/ 2018

Mesmo que estejamos longe de um período de janela eleitoral para troca de partido sem perda do mandato, não é que muito tem se falado ao final deste segundo turno sobre isso nos ambientes políticos em Carazinho?

Primeiro, relembro a informação de que Paulino de Moura, à frente do PR local, disse que o partido vai ter um representante na câmara ainda nesta gestão.

Eu até havia imaginado que seria o pedetista Anselmo Britzke, o Gauchinho, mas Paulino me disse nesta noite de segunda-feira (29) na câmara que é, sim, um pedetista, mas Alaor Tomaz, que ele convenceu a para o PR.

Se isso realmente ocorrer, o PDT vai terminar esse mandato só com um nome na câmara.

Segundo, também na câmara, nesta noite, soube que o PSL, partido do presidente eleito Jair Bolsonaro, pode ''ganhar'' sem eleição dois vereadores.

Parece que um seria Gian Pedroso, cujo assessor parlamentar é do PSL, Sérgio Cornélio.

E o outro nome?

Essa mesma fonte do PSL me disse que o partido gostaria muito de contar com o vereador Tenente Costa em sua nominata.

Nesses dois casos, são nomes da aliança com o MDB que elegeram o atual governo municipal.

Gian é do PSB,, Costa é do PP, e líder do governo na câmara.

Evidente que esse entusiasmo pelo PSL cresceu ao longo da campanha presidencial e que está ''chovendo'' interessados em estar no partido que está no poder.

O que não significa que essas trocas que estejam sendo cogitadas possam dar certo, não há garantias neste momento, até porque tudo vai depender do desempenho do PSL nesses dois anos que antecedem às eleições municipais.

Por enquanto, o partido vai aproveitando o papel da noiva cobiçada.



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais