Coluna Circulando e a política em Carazinho.

Preço das escolhas.

Ana Maria Leal
Outubro 09/ 2018

Em entrevista para a Rádio Gazeta AM nesta segunda-feira (08) uma das lideranças do PTB em Carazinho, que já presidiu o partido, inclusive, analisou o resultado das urnas para o candidato a reeleição como deputado federal Ronaldo Nogueira.

Wilson Moreira disse que Ronaldo estava otimista com a eleição, e tinha uma projeção maior de votos, diferente dos 62.119 registrados ao final da apuração.

''Em Carazinho ele sabia que a votação não seria grande, eu diria que o Ronaldo está pagando um preço muito alto por ter tido uma postura política. Primeiro, por levar adiante a reforma trabalhista, que não foi de todo ruim para o país, e se você indagar às pessoas que direitos perderam, nem sabem responder, mas o Ronaldo foi muito atacado pelos sindicatos. O segundo fator, que ele mesmo vê, é ter tido que ausentar-se do Ministério do Trabalho para votar, por duas vezes, pelo não prosseguimento do processo contra o presidente Temer. Isso, entendemos, que foi fatal, a população não aceitou, mas, por outro lado, elegeu muitos deputados do MDB, ou PMDB, que mudou de nome, há uma contradição total nisso, parece que a pecha só pegou no Ronaldo''.

Moreira foi mais longe na sua análise lembrando que a votação de ambos os candidatos a deputados federais de Carazinho que buscavam a reeleição tiveram redução de seus votos. Claro que a diminuição do emedebista Márcio Biolchi não foi tão grave quanto à de Ronaldo pois não afetou sua reeleição.

Ronaldo baixou de um mandato conquistado em 2014 com total de 77.017 para a soma de 62.119 em 2018 que o deixou como segundo suplente do PTB/RS.

Márcio baixou de 119.190 votos em 2014 para 100.362 em 2018 mas conseguiu garantir a cadeira na câmara federal.

Nas votações a favor de Temer não precisou se desgastar pois não estava no mandato em Brasília - era secretário de Sartori - e seu suplente Mauro Pereira cumpriu a função de votar com o MDB. Mauro não passou no teste das urnas, na busca por uma cadeira própria na câmara federal. 

A reação dos eleitores de Carazinho também foi bastante diferente de um para outro candidato.

Para Ronaldo, porém, a queda de votos em Carazinho foi vertiginosa. De 9.212 em 2014, agora somou míseros 1.654.

Conforme Wilson Moreira, essa votação diminuída pode ser vista como uma certa ingratidão para com Márcio e Ronaldo ''que sempre ajudaram a cidade''.

Agora, Moreira diz que é ''baixar a cabeça e trabalhar pelo segundo turno'', pois o PTB é vice de Eduardo Leite (PSDB) na disputa pelo governo do Rio Grande do Sul, com o delegado Ranolfo Vieira Jr. 



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais