Coluna Circulando e a política em Carazinho.

A resposta das urnas.

Ana Maria Leal
Outubro 07/ 2018

Tivemos surpresas ao final da apuração da votação nas urnas neste domingo à noite, falando sobre Carazinho.

Primeiro, a queda na votação dos dois deputados federais que buscavam a reeleição.

Márcio Biolchi (MDB) foi o candidato a deputado federal mais votado na cidade, com 16.790 votos de um total de 100.043 no estado. Foi um número total muito bom, considerando que ficou na 15ª posição entre os mais votados no RS, e garante sua reeleição. Porém, são em torno de 19 mil a menos do que fez em 2014, com em torno de 119 mil votos.

Ronaldo Nogueira (PTB) teve pior desempenho, muito devido a associação do seu nome à Reforma do Trabalho, e a participação no governo de Michel Temer (MDB). Ronaldo fez em Carazinho menos de 2 mil votos: 1.654, de um total de 62.040. Foi em torno de 16 mil a menos do que em 2014, quando se elegeu com 77 mil.

A queda na votação do petebista não surpreendeu porque não vi o partido, pelo menos em Carazinho, pegar junto na defesa de Ronaldo. Eu mesma recebi wattsApp de liderança da sigla pedindo voto para outro nome concorrendo a deputado federal.

Segundo, a votação do até então desconhecido Celso Morais (PSL). Foram 956 votos em Carazinho de um total de 13. 092. O policial rodoviário federal da ativa não conseguiu ser eleito deputado federal, até esperava uma votação maior em Carazinho, já que tem vínculos com a cidade onde reside a família da sua esposa.

Já para deputados estaduais, dos seis nomes de Carazinho, o ex-vereador e ex-prefeito de Coqueiros do Sul, Acácio Souza (PDT), foi o mais votado, com um total de 4.229 votos. Desses, 2.651 em Carazinho.

A fonoaudióloga Luiza Locatelli (PSL), casada com Mauro Locatelli (MDB), aparece em segundo com 1.880 votos em Carazinho (Total: 3.602).

A assistente social Katia Soares Alberti (PRB) somou 831 votos no total, e 493 em Carazinho.

Elias Alves (PTB), artesão que já foi diretor do departamento de Habitação da prefeitura de Carazinho na gestão de Renato Suss, fez 863 votos no total, dos quais 602 em Carazinho.

Menos votado do grupo de Carazinho, o pastor da Assembleia de Deus, Carlos Castro, somou  695 votos. Em Carazinho, foram 289.

Em Carazinho quem ganhou a votação para senador não foi nenhum dos escolhidos no RS (Luiz Carlos Heinze (PP) e Paulo Paim). A vitória foi de Beto Albuquerque (PSB) com 18.988 votos.

A seguir aparece Heinze com 12.977. Depois dele, Paim, 8, 408, Fogaça (MDB) com 8.389 e Carmen Flores (PSL) com 8.050.

Para governador do RS, os eleitores em Carazinho escolheram em sua maioria Eduardo Leite (15.407 votos), seguido de Sartori (10.402), justamente os que vão para o segundo turno em 28 de outubro.

Agora, zerou a eleição para governo do estado e presidência da república. 

Começa no dia 12 de outubro a propaganda obrigatória para a votação de 28 de outubro. 

Em tempo: Votos de Bolsonaro em Carazinho: 20.024.

Haddad em Carazinho: 7.679.








Compartilhe esta coluna em suas redes sociais