Coluna Circulando e a política em Carazinho.

Enquanto isso, na câmara de vereadores...

Ana Maria Leal
Abril 18/ 2018

Servidores do Poder Legislativo e até vereadores foram testemunhas de um novo barraco protagonizado na câmara de vereadores de Carazinho.

Desta vez, nos bastidores, mas em alto e bom som, pois os gritos e impropérios foram ouvidos até por quem estava com a porta fechada.

O episódio, -talvez para que a comunidade não fique tão desapontada com seus representantes políticos-, foi devidamente abafado.

Também fico na dúvida se as pessoas querem saber disso...

Entretanto, me foi perguntado sobre o assunto por ouvintes do Lado a Lado nesta semana, e por isso busquei informações que reúno aqui.

A discussão me foi confirmada por várias pessoas que tiveram o desprazer de ouvir o vocabulário que incluiu palavras de baixo calão de uma das partes envolvidas para com o presidente da câmara.

Márcio Hoppen, o Guarapa (MDB), foi o alvo. Dizem que se controlou para não baixar mais ainda o nível.

Não falei com ele sobre isso, mas pessoas que não querem ser identificadas me disseram que não há respeito nem com servidores, nem com vereadores, ou com o presidente da câmara.

Nessa situação específica o presidente foi confrontado por outro vereador, cujo nome não foi revelado, mas que, segundo relatos, costuma fazer sua vontade valer no grito e ameaça.

Qual teria sido o motivo do bate-boca que mostra o nível de alguns de nossos parlamentares? mais acesso a recursos públicos através da contratação de pessoal, cargo de confiança, para a assessoria da câmara.

Pelo que me contaram o presidente está primando pelo corte de despesas e não quer ter esse gasto.

Mas, parece que depois da gritaria foi convencido do contrário.

Detalhe: esse tipo de comportamento não é raro nos corredores da câmara.

E, como me disseram, num dar de ombros: ''não dá nada...''.





Compartilhe esta coluna em suas redes sociais