Coluna Circulando e a política em Carazinho.

Como fica ?

Ana Maria Leal
Abril 17/ 2018

Ao participar do Lado a Lado nesta segunda-feira (16) o presidente do MDB em Carazinho, Jorge Dutra, falou sobre ter ou não ter um nome do partido local disputando uma vaga na Assembleia Legislativa em 07 de outubro.

O partido vive uma situação delicada, considerando a particularidade em Carazinho.

Dois nomes do primeiro escalão da política local estão dispostos a ser esse candidato, até o momento nenhum deles abriu mão em favor do outro, e pode ser que isso ocorra na contagem de votos.

Não em convenção municipal, pois Jorge disse que não há obrigatoriedade de que ela seja realizada já que a disputa é para um cargo estadual.

''_A convenção municipal não é obrigatória, porque a candidatura é estadual, e na convenção estadual que deve ser em junho, eles podem colocar o nome à disposição. Normalmente a estadual respeita a indicação dos municípios, mas pretendo que os dois tenham um acerto, para evitar um desgaste dos dois irem ao diretório, colocar nome a votação, porque não tem validade nenhuma, podem colocar nome na estadual, pode passar um ou pode não passar nenhum. Mas se existir um candidato que seja um, e de consenso de todos, com certeza o partido vai abraçar a campanha e vai se mobilizar para isso''.

Ele lembra que na reunião do partido que tratou desse assunto, ocorrida no final de março, quando questionou se haveria alguém interessado na disputa, três filiados se apresentaram. Isso os leitores bem sabem. Dêninson Costa, que já se exonerou da secretaria de Desenvolvimento (Mobilidade, etc), Márcio Hoppen, o Guarapa, atual presidente da câmara, e Mauro Locateli.

''_ Mauro dias depois me telefonou dizendo que retiraria seu nome porque a esposa também havia decidido ser pré-candidata (por outro partido) e ele não queria esse afronte na família, mas vai ajudar o partido se tiver um nome de consenso''.

O presidente emedebista também disse que essa manifestação teria que ter começado um pouco antes, já que há outros políticos da sigla interessados no eleitorado de Carazinho.

''_ Tem candidatos que são da região que a gente tem que dar atenção, candidatos com muito potencial que dão atenção para Carazinho, temos um colégio eleitoral aqui com 42 mil votos, alguém vem buscar esses votos. Se tiver candidatura aqui, gostaria que o partido todo desse apoio, pela questão da fidelidade partidária, e ter um nome do município, deve se ter respeito pela pessoa que colocou seu nome, se lá na frente não tiver esse nome, vou deixar o partido à vontade com os candidatos que estejam dentro da sigla''.

Sobre o MDB ter ainda o interesse do filiado Darci Guimarães como pré-candidato a deputado estadual, Jorge diz que isso não foi oficializado. ''Não chegou oficialmente para mim, o Darci disse nas redes sociais que é pré-candidato, mas na reunião do partido não houve esse manifesto da parte dele, o que teria que ter partido da reunião. Por isso são consideradas duas pré-candidaturas, então que eles conversem, se entendam, primeiramente, depois se o partido tiver que fazer uma manifestação, isso vai acontecer''.

Jorge não se preocupa com o fato de a maioria dos políticos da casa já terem fechado com candidatos de fora o apoio nas eleições para a Assembleia Legislativa, o que deixaria o nome indicado pelo MDB em Carazinho meio que abandonado.

''_ Compromisso a gente tem até o momento que as coisas mudam, é que nem casamento, se diz para o padre até a morte separe, mas geralmente se separa em vida...''.





Compartilhe esta coluna em suas redes sociais