Coluna Circulando e a política em Carazinho.

Custa caro.

Ana Maria Leal
Abril 13/ 2018

O vereador Ivomar de Andrade, o Tomate, do PTB, paga o preço da sua independência na câmara de vereadores toda vez que tenta emplacar alguma sugestão junto ao governo municipal e não consegue ser ouvido.

Em entrevista para o Lado a Lado nesta semana perguntei se havia sido evoluído junto ao Poder Executivo ou houve interesse na sua sugestão para que a cidade tenha um festival gastronômico durante a Expodireto, já que isso pode começar a ser viabilizado desde agora para funcionar em 2019, e me respondeu:

''_É aquela velha história, por me tornar um vereador independente, decidir da forma que eu entendo, independente de partido, parece que não tem eco. Faz um certo tempo que encaminhamos esse pedido ao Executivo para que se tenha um festival de gastronomia nesse período da Expodireto. Carazinho não precisa ser só uma cidade hospitaleira, mas ter alternativas como Victor Graeff,  Lagoa dos Três Cantos. Carazinho pode ter aqui um festival de gastronomia, envolvendo trailers, pizzarias, churrascarias. Se Carazinho  não pode criar suas feiras, vamos participar com um festival gastronômico em Carazinho, temos CTGs, grupos de danças, grupos teatrais. Que Carazinho tenha desenvolvimento cultural''.

Tomate acredita que ideias, sugestões, que não partam da base aliada do governo, tendem a ser ignoradas.

''_Tenho batido tambor e não sou ouvido. Mas sou insistente, acredito no bom senso da nossa administração e que haja interesse nesse festival, mas me parece que se não parte do Executivo, não pode, porque a vitrine é para alguns, e não para todos. Essa vitrine tem que ser para Carazinho, que se torne uma cidade hospitaleira de verdade e atraente''.

Pode ser que o governo municipal esteja aguardando para tratar desse assunto com o vereador mais para a frente, já que há tempo para a próxima Expodireto.

Ou não.

Pode ser que queira que a sugestão caia mesmo no esquecimento, já que Tomate não tem agradado ao governo.

Não foi o único que votou contra o projeto da abertura do comércio nas BRs em Carazinho, mas foi quem mais reagiu publicamente de forma contrária.

Apesar de ser insistente, como ele mesmo disse, ou muda de comportamento, ou corre o risco de passar os próximos dois anos e meio do mandato sem emplacar projeto algum na cidade. 




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais