Português e Literatura

ENEM: lembretes óbvios, mas necessários...

Maria Solange
Outubro 30/ 2017

Como todos sabemos, a prova do ENEM tem muitos textos informativos, literários, poemas, charges, tirinhas, gráficos... e tudo isso exige bastante atenção na leitura e compreensão. Daí, a necessidade de ler o texto (verbal ou não verbal) duas vezes, no mínimo. A primeira leitura para ter noção do assunto; a segunda, para prestar atenção às partes, às imagens, às expressões faciais, às tabelas dos gráficos. Não ir para as questões sem antes ter entendido o assunto tratado.

Depois, sim, ir para as questões. Ler duas vezes o comando da questão para saber realmente o que se pede. Atenção para o NÃO e o EXCETO. Sugiro que circule essas palavras quando aparecerem, lembrando que  cada alternativa possui um terço das afirmativas que é um absurdo, não tem nada a ver com o assunto.

Se o comando pedir a ideia principal ou tema, normalmente deve situar-se no primeiro ou no último parágrafo ? introdução ou conclusão. Se buscar argumentação, deve localizar-se nos parágrafos intermediários. 

Durante a leitura, pode-se sublinhar o que for mais significativo e/ou fazer observações à margem do texto. Procure relacionar o título com o assunto exposto. Muitas vezes, parte da ideia central está contida no título. Se tiver questões de vocabulário, localize essa palavra no texto e relacione-a com o seu contexto. Porque, muitas vezes, ela está empregada no sentido não figurado, ou seja, não corresponde ao sentido literal, verdadeiro da palavra.

Saber diferenciar o sentido figurado (conotativo) de sentido não figurado (denotativo), ou seja, figurado refere-se ao sentido impróprio, irreal e o não figurado, ao sentido real, verdadeiro, próprio, literal da palavra, sentido do dicionário. Porque tudo vai depender do contexto, o que ele quer expressar naquela situação.

Outra questão muito importante: saber diferenciar discurso direto de discurso indireto. O primeiro apresenta a fala como aconteceu (geralmente é marcado com travessões ou uso de aspas); já o segundo, apresenta a fala dita, explicada, contada por outra pessoa. Temos também  a ordem direta da frase que é: sujeito + verbo + complementos (objetos) + adjuntos adverbiais; e a ordem indireta que é quando um ou mais desses elementos vier (vierem) fora dessa ordem.

Atenção para o uso da linguagem padrão culto, formal que se  refere à linguagem correta de acordo com as normas gramaticais; e a  linguagem coloquial, informal que se refere à linguagem do dia a dia, sem obedecer às normas gramaticais, foge ao tradicional.

Outros assuntos que costumam ser cobrados: semântica (sentido ou significado da palavra); polissemia (vários sentidos de uma palavra, muitas vezes, gerando ambiguidade e ironia); intertextualidade (um texto que faz referência a outro texto já conhecido); funções da linguagem que são cobradas na publicidade (metalinguística, fática, apelativa, poética, emotiva, referencial); figuras de linguagem (metáfora, hipérbole, antítese, símile, metonímia...)


(Foto: Divulgação)




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais