Coluna Circulando e a política em Carazinho.

Sucessão.

Ana Maria Leal
Setembro 28/ 2017

Procurei por Miriam Oliveira (PTB) nesta quinta-feira (28) para saber como está acompanhando o processo de cassação do vereador Clayton Pereira (SDD) no legislativo de Carazinho e tudo o que está sendo dito a seu respeito, pois está na linha de sucessão do vereador.

Miriam me atendeu pelo telefone e marcamos de conversar no seu local de trabalho, o salão onde atua como cabeleireira, na Barão de Antonina, no centro de Carazinho.

Evidente que ficou chateada ao saber que estão associando o iminente afastamento de Clayton a uma movimentação do seu pai, o ministro Ronaldo Nogueira.

''Quem vai dizer se eu vou assumir é a Constituição, a própria Lei, se isso tiver que acontecer, não o pai'', afirmou.

Miriam não quis gravar entrevista por considerar que não é o momento mas falamos muito a respeito. Prefere aguardar para qualquer pronunciamento público justificando que existe respeito por Clayton e por Ivomar de Andrade (Tomate), que é o primeiro suplente e se desfiliou do PTB mas pode querer assumir a cadeira no legislativo.

''Respeito tanto o Clayton quanto o Tomate, a gente fez uma campanha junto, estou muito tranquila neste sentido mas não crio expectativa diante da desgraça de meus companheiros, não estou esperando que o Clayton caia para fazer a cabeça dele de escada. Se sou suplente foi por causa da votação deles. Sigo na minha profissão, investindo na minha qualificação, atuando como cabeleireira. Por enquanto sou cabeleireira, atendo no salão com a Raquel, minha prioridade é minha família e minha profissão. Se um dia eu assumir que seja de forma natural''.

E garantiu: ''Se estão esperando briga até judicial, não vou entrar em briga por uma cadeira''.

Na câmara, a votação para encaminhamento do processo de cassação será na próxima segunda-feira, dia 02 de outubro, na sessão que começa às 18h45min.

 



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais