Enviado pela professora Mônica Oliveira de Quadros.

Mutismo Seletivo

Ouvinte
Junho 05/ 2017

Mutismo Seletivo

 

''Dando voz, a quem sofre calado''.


De acordo com DSM-IV Manual de Diagnósticos e Estatística de Transtornos Mentais, o Mutismo Seletivo caracteriza-se como uma desordem psicológica mais frequente nas crianças, tornando-as incapazes de falar em diversas situações.

Frequentemente está associado com um elevado nível de ansiedade, que pode ser por predisposição genética, transtorno de ansiedade ou um trauma psicológico.

É comum que ocorra os primeiros sintomas entre 3 a 6 anos de idade , embora na maioria das vezes é diagnosticado na escola. Crianças, adultos com esse transtorno são capazes de falar e compreender a linguagem mas não fazem em certas situações sociais quando é o que se espera deles, por exemplo: a criança pode ficar completamente calada na escola, no clube, nas festinhas por anos, mas falar a vontade em casa.

Muitas vezes confundido com timidez, birra, autismo e outros transtornos psicológicos, por falta de informação, pois no Brasil sabe-se pouco sobre Mutismo e trata-se de um transtorno raro.

A família e a escola têm um papel fundamental na cura do Mutismo, pois tendo as atitudes corretas surtirá efeito positivo. Aqui vai algumas dicas poderosas de grande importância para estimular a falar:

- Não forçar a falar.

-Propiciar um ambiente seguro e acolhedor.

-Reforçar pontos positivos ( elogiar).

-Integrar-se em relações sociais gradualmente.

-Realizar atividades lúdicas.

-Evitar expor o problema na presença da criança.

-Evitar alto grau de avaliação e cobrança de melhora.

Tudo isso, são importantes meios de tratamento que levará a criança à cura, caso contrário acarretará em um aumento da ansiedade agravando mais o quadro.

Portanto é importantíssimo a paciência e o amor dos pais, familiares, professores, colegas e equipe pedagógica para a solução desse transtorno  que na maioria das vezes passa despercebido, levando a criança a sofrer calada.

 

 

Professora: Mônica Oliveira de Quadros.

Graduada em Ciências Sociais e Pós graduada em supervisão e orientação escolar.


Compartilhe esta coluna em suas redes sociais