Literatura de Português

Mário Quintana - nosso poeta gaúcho

Maria Solange
Maio 05/ 2017

            Como apreciadora de POESIA e como GAÚCHA que sou, não poderia deixar passar em branco a data do aniversário de morte do nosso querido poeta gaúcho Mário Quintana, ?O Poeta das Coisas Simples?. O poeta que soube muito bem encantar as pessoas, desde as crianças até os idosos.

            Mário Quintana foi um importante escritor, jornalista e poeta gaúcho. Nasceu na cidade de Alegrete (RS) no dia 30 de julho de 1906. Trabalhou também como tradutor de importantes obras literárias. Com um tom irônico, escreveu sobre as coisas simples da vida, porém buscando sempre a perfeição técnica. Foi  considerado um dos maiores poetas do século XX. Em 1980, Mario recebeu o ?Prêmio Machado de Assis? da Academia Brasileira de Letras (ABL). No ano seguinte, o poeta recebeu o ?Prêmio Jabuti? de Personalidade Literária do Ano. 

            Em 5 de maio de 1994, veio a falecer por problemas cardíacos e respiratórios. Não se casou nem teve filhos. Viveu grande parte de sua vida em quartos de hotéis. O lugar onde morou, cerca de 15 anos em Porto Alegre, chamado ?Hotel Majestic?, é atualmente um centro cultural chamado ?Casa de Cultura Mario Quintana?.

            Mario Quintana concorreu três vezes para a vaga de literato na Academia Brasileira de Letras, mas nunca conseguiu ganhar. Convidado para se candidatar pela quarta vez, o poeta se recusou. A linguagem que Quintana utiliza em seus textos é simples, fluida, introspectiva e, muitas vezes, irônica. Temas como o amor, o tempo, a natureza são os preferidos do poeta.


            Eis algumas frases consideradas famosas por sua carga significativa:

''A amizade é um amor que nunca morre.''

''Tão bom morrer de amor... e continuar vivendo.''

''A indiferença é a maneira mais polida de desprezar alguém.''

''O verdadeiro analfabeto é aquele que sabe ler, mas não lê.''

''Não faças da tua vida um rascunho. Poderás não ter tempo de passá-la a limpo.''

''Uma vida não basta ser apenas vivida: também precisa ser sonhada.''

''A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer''.


E também alguns poemas que merecem uma  atenção muito especial pelo teor da mensagem implícita:

     Do amoroso esquecimento                                               Das utopias

Eu agora - que desfecho!                                          Se as coisas são inatingíveis... ora!

Já nem penso mais em ti...                                         Não é motivo para não querê-las!

Mas será que nunca deixo                                           Que tristes os caminhos se não fora

De lembrar que te esqueci?                                         A mágica presença das estrelas?

      Os Poemas                                                                            Jardim interior

Os poemas são pássaros que chegam                        O que mata um jardim

não se sabe de onde e pousam                                   Não é mesmo alguma ausência 

no livro que lês.                                                                Nem o abandono...

Quando fechas o livro, eles alçam voo                           O que mata um jardim

como de um alçapão.                                                       É esse olhar vazio

                                                                                   De quem por ele passa indiferente.

                                                                                

      DA FELICIDADE                                                                     A Arte de Viver

Quantas vezes a gente, em busca da ventura,                          A arte de viver                

Procede tal e qual o avozinho infeliz:                                     É simplesmente a arte de conviver...

Em vão, por toda parte, os óculos procura                                Simplesmente, disse eu?   

Tendo-os na ponta do nariz!                                                        Mas como é difícil!  


Compartilhe esta coluna em suas redes sociais