Vida Saudável

Depressão

Mauro Mazzutti
Abril 25/ 2017

A depressão é uma doença caracterizada por um permanente ''baixo astral''. Em muitos casos é incapacitante e pode trazer consequências trágicas.  Precisamos diferenciar depressão e tristeza comum. Na depressão, além da tristeza, o paciente apresenta dois ou mais dos seguintes sintomas: baixa autoestima, dificuldade de concentração, perda ou aumento do apetite, alto grau de pessimismo, interpretação distorcida e negativa da realidade, insônia, ansiedade, angústia, diminuição do desempenho sexual e irritabilidade. Além disso, esses sintomas podem se agravar e a doença passar por até três estágios: leve, moderada e grave. Já a tristeza comum é algo mais leve e inerente ao ser humano; acontece quando a pessoa passa por um episódio negativo na sua vida, podendo gerar sintomas como os relatados, porém, são temporários e duram em torno duas semanas, ou seja, até a pessoa assimilar o ''golpe'' e seguir sua vida adiante.  

Não é simples determinar a incidência da depressão, pois até o clima pode interferir. No inverno, por exemplo, constatamos o aumento do número de pessoas diagnosticadas com depressão. De maneira geral, os estudos sugerem que pelo menos 15% da população mundial sofre com essa doença. Além disso, os números não param de crescer e estima-se que em 2020 a depressão será a doença mais incapacitante do mundo, gerando enormes prejuízos sociais e econômicos. As mulheres são as mais atingidas, seguidas por homens, adolescentes e crianças. A faixa de idade onde começa aparecer o transtorno depressivo é de 20 a 40 anos. 

Certos fatores aumentam a probabilidade de desenvolver um quadro depressivo: histórico familiar (genética), perdas, luto, estresse, pouco convívio social, relações desestruturadas, experiências traumáticas na infância, doenças físicas que geram dores crônicas, dificuldades financeiras e problemas com álcool ou drogas. 

A depressão é marcada pelo desequilíbrio de algumas substâncias cerebrais chamadas de neurotransmissores. Os antidepressivos têm a função de corrigir a produção dessas substâncias, fazendo com que os sintomas regridam. Apenas médicos podem prescrever esses medicamentos. Outro detalhe muito importante para o processo de cura é a psicoterapia, feita por psicólogos ou psicoterapeutas (médico psiquiatra).  Nessa técnica, o profissional tem conversas periódicas com o paciente para que este entenda seus problemas de uma forma mais profunda e existencial. Esse processo auxilia a reestabelecer o bom funcionamento psíquico, dentre outros benefícios. 

Devemos estar alertas aos sintomas da depressão e, principalmente, não subestimá-los.  Infelizmente, pessoas portadoras dessa doença frequentemente sofrem preconceito de que estivessem fingindo os sintomas. Bem por isso, se faz necessário que a família e os amigos estejam contextualizados com a doença e, nos primeiros sinais, buscar ajuda especializada. Abraços, Mauro.



Compartilhe esta coluna em suas redes sociais