Essa doença é perigosa e, muitas vezes, mortal (pode evoluir em poucos meses).

Leucemia

Mauro Mazzutti
Março 14/ 2017

A medula óssea, conhecida popularmente como tutano, está situada na parte interna da maioria dos ossos, trata-se de um tecido esponjoso responsável pela fabricação das células progenitoras, conhecidas ainda como células-tronco ou células-mãe, que dão origem a algumas categorias de células como glóbulos brancos (linfócitos), vermelhos (eritrócitos) e plaquetas.

 

Dentre as principais desordens da medula óssea está a leucemia, um tipo de câncer caracterizado pela produção desordenada dos glóbulos brancos; células sanguíneas responsáveis, principalmente, pela defesa do nosso organismo a agentes infecciosos, tais como vírus, bactérias, ou substâncias alergênicas. Existem diversas classificações de leucemia, que variam pelo tipo de glóbulo branco produzido em excesso. Essa doença é perigosa e, muitas vezes, mortal (pode evoluir em poucos meses). Porém, essa história pode ser alterada a partir do tratamento correto, com maiores chances de cura. A leucemia é a segunda causa de morte em crianças com menos de 15 anos de idade.

 

Dificilmente é possível determinar a causa da leucemia, porém existem algumas hipóteses: a genética; a radiação oriunda de lugares contaminados, ou de campos eletromagnéticos emitidos por instalações elétricas; determinados vírus (oncogênicos) transmitidos entre usuários de drogas injetáveis; exposição prolongada a agentes químicos contendo benzeno (utilizado na fabricação de plástico, gasolina, tintas etc), inseticidas e drogas como o tabaco, por exemplo.

 

Principais sintomas da leucemia: inchaço nos gânglios linfáticos (ínguas) localizados embaixo dos braços (axilas), virilhas e pescoço; aumento do fígado ou baço; anemia, acompanhada de cansaço, palidez, perda de peso e dores articulares; febre sem razão e pequenas manchas vermelhas na pele também podem estar presentes. Os exames sanguíneos, normalmente apresentam desequilíbrios na contagem de leucócitos (aumento ou redução) e diminuição no número de plaquetas (trombocitopenia). Porém, não é raro que a leucemia seja assintomática (sem sintomas) sendo descoberta apenas com exames de sangue.

 

Na maioria das vezes, a confirmação da leucemia é feita através da análise do material aspirado da medula óssea e da sua biópsia. Neste procedimento, uma amostra é colhida por intermédio da punção no osso ilíaco (da bacia), no osso esterno (tórax) ou, ainda, em caso de bebês, na tíbia (osso da canela).

 

O tratamento da leucemia vai depender do tipo e do grau em que a doença se encontra. A quimioterapia, o transplante de medula e, em alguns casos, a radioterapia estão entre os tratamentos mais recomendados. Frequentemente, o paciente é submetido a transfusões de sangue, a fim de reequilibrar as deficiências originadas pela doença (hemorragias e anemias). O tratamento deve ser acompanhado por hematologistas e oncologistas e, graças aos avanços da medicina, as chances de cura são boas.

 

Abraços, Mauro.




Compartilhe esta coluna em suas redes sociais